05 agosto 2007

to beng or not to beng, zhat is zhe questiong

Nosso expedito doutor, concordando com um insigne leitor deste blogue, gargalha aos borbotões qdo alguém "prevê" q num futuro não muito distante, o chinês vai tomar o lugar do inglês, q tomou do francês, q tomou do latim, o papel de lingua franca internacional. ¿Sabe QUANDO isso vai acontecer? Nunca.

A moda de prever o declínio dos Euá ao mesmo tempo em q se "prevê" a ascensão da China é uma espécie de esporte jornalístico; vem da crença despistada de q o desenvolvimento econômico é uma conseqüência inescapável do crescimento populacional. Claro q não há desenveconô sem a produção incansável de bebês pobres. Mas é preciso mais do q um contingente crescente de pobres num país pra forçar executivos dum outro a aprender a língua do primeiro.

O chinês (tanto o mandarim quanto o cantonês, entre as oito línguas lá faladas) tem características q pouquíssimos ocidentais estariam a fim de aprender. É uma língua em q a entonação duma palavra é parte integrante de seu significado. É como se, em português, "dusa?" significasse 'perto', "dusa!" significasse 'pizza' e "duuusa?!" significasse 'metalinguagem'.

Esse simples fato tem conseqüências culturais e geopolíticas. Cito aqui apenas duas, dentre as várias q o Dr Plausível listou e demonstrou recentemente, no XII Congresso Exurbano de Geoplausibilática Funcional:

(1) Quando um chinês está fulo de raiva e quer dar uma bronca no filho porque não lavou os palitinhos antes de comer, ele não pode sair gritando, como qualquer ocidental, "SEU PORCÃO! VAI JÁ LAVAR OS PALITO!!", porque se ele gritar como um ocidental, sua entonação vai mudar, e portanto o significado do q ele diz também vai mudar. ¿Q faz, então? Em vez de berrar, ele tensiona o pescoço e engrossa a voz: "Seu porcão. Vai já lavar os palito." Alugue algum DVD de filme chinês e confirme. Assim, a música cantada chinesa tradicional não pode ter qualquer melodia com uma letra em cima: muda-se a melodia e muda o sentido. As canções chinesas tradicionais são indecifráveis aos ouvidos ocidentais. "¿Como é q alguém pode gostar disso?" é o q se pergunta qualquer brasileiro q escuta. O mundo é cheio de variedade, mas ¿sabe QUANDO a cultura chinesa vai pegar no ocidente?

(2) Uma cultura em q a expressão visceral dos sentimentos é codificada num padrão travado de entonações é o palco perfeito pra governos totalitários. ¡Não há nisso crítica alguma contra governos totalitários! O progresso chinês é a prova de q pode dar certo, e a cultura chinesa é provavelmente a q mais influenciou a história da civilização. Mas dentre os ocidentais – acostumados à exuberância de suas artes, idéias e berros –, pouquíssimos aceitariam a influência direta da China sobre seus gostos e palavras. Em 1999, o então presidente Clinton dos Euá tentou dar umas bronquinhas no primeiro ministro chinês visitante, Zhu Rongji, sobre infrações de direitos humanos na China, mas o Zhu deu-lhe um chega-pra-lá irrespondível, equivalente a "Calma lá, cara-pálida, q vocês ocidentais não sacaram ainda como as coisas funcionam lá." E, de fato, é outro mundo.

Apenas por esses dois motivos, é fácil ver q o chinês não é a "próxima" língua. A China deve ser recebida com raras honrarias ao clube dos países desinglesados, mas terá q praticar o maldito verbo to be e o present perfect como todo o mundo. ¿Tá pensando o quê?

11 comentários:

Pracimademoá disse...

Isso sempre me faz lembrar uma piada, já clássica:

"Zhin hiu ta wu ma, cheng po kiu ma hiu wa, penk kon cha zhin king te la wu wu sun ma."

Mas, contando assim, não tem graça. Tem que ouvir pra entender.

F. Arranhaponte disse...

Você tem como indicar uma bibliografia básica para os interessados em Linguisticnomics (ou Linguistonomics seria melhor?)?

Permafrost disse...

Demoá,
HAHAHAHA
Pô traduz aí... ¿Chega um pouquinho mais? ¿Pega um chazinho?

Scrapebridge,
Tinha um bibliografia completa na Biblioteca Central do Instituto de Plausibilática de Talinn, antes de se incendiar em circunstâncias bastante suspeitas depois de um "acordo comercial" entre Brasil e Estônia, feito a portas fechadas.

Herpes da Fonseta disse...

Lava os palitinhos ANTES de comer? Por onde eles andam entre uma refeição e outra?

Neanderthal disse...

Ha Ha Ha Ha !!!!

Severino disse...

Po essa ficou feia: "¡Não há nisso crítica alguma contra governos totalitários!"

No resto concordo plenamente. Alias, o pessoal desse lado do mundo nao entende a China ha um bocado de tempo.

Permafrost disse...

Putz, é verdade. Já esqueci por quê escrevi isso, mas na hora pareceu ter um bom motivo.

Pracimademoá disse...

O ocidente não entende a China. Mais do que tentar entender a China, entretanto, o que realmente me fascina é imaginar se a China entende o ocidente.

Mas para avaliar se a China entende o ocidente, eu provavelmente teria, antes, que entender a China.

É por isso que eu desisto de tantas coisas na vida.

sacanagem disse...

Why is it we always feel good calling stupid men cara-pálida?

Carrie, a Estranha disse...

Hahahahaha...ótimas considerações!

Mas os chineses devem pensar o mesmo de nós. Brasileiros muito estranhos. A palavra "sabia", significa uma coisa, já "sabiá", significa outra, completamente diferente! E a diferença é dada por apenas um sinal!

Ótimo blog. A sua sua que me indicou.

bjs

Permafrost disse...

Demoá, a China tbm não entende o ocidente. Aliás, acho q eles não compartilham o fascínio q os daqui têm pelos de lá.

Canagem, because stupidity is more conspicuous on a pale face?

Carrie, seja bem-vinda. Várias outras pessoas estranhas aqui.

Postar um comentário

consulte o doutor