08 outubro 2012

A graça de quem não acha

Muitos ano atrás, reconhecendo-se incapacidados pra tal, e achando q nosso exosmótico doutor fosse especialista no assunto, os Desgraçados Anônimos o contrataram pra redigir uma lista de Doze Passos na reabilitação de pessoas desprovida de senso de humor. O trágico vício de não ter humor aflige uma parcela enormìssimérrima da população mundial, mas pouquizíssimas pessoa têm a coragem necessária pra reconhecer, enfrentar e –sàbiamente– desistir de resolver o problema. A falta de senso de humor tem causas profunda na individuação e socialização do ser humano, resultando numa, digamos, desabrangência em sua inteligência. Ou seja, é quase impossível aumentar o Quociente Gargalhístico duma pessoa, mesmo q ela queira. Mas, seguindo os Doze Passo, é possível q o Desgraçado pelo menos humildemente se reconheça como indigno de gargalhar e aprenda, não sem esforço e empenho, à conter sua raivinha qdo gargalham as pessoa superiormente dotada. Ou então, havendo necessidade, não há nada contra fumar um baseado –só a lei de desgraçados bem conhecido.

OS DOZES PASSO DOS DEGRAÇADO ANÔNIMO
1. Aceitamos o fato de q temos um problema q não conseguimos compreender ou controlar.
2. Admitimos a existência e o poder duma Força Maior q permeia toda a Vida todo o tempo: a Ironia.
3. Decidimos pelo menos não atrapalhar o pleno exercício e desfrute da Força Maior.
4. Fizemos um minucioso e destemido exame de nossa incapacidade de enxergar a graça onde pessoas com senso de humor enxergam.
5. Reconhecemos q não temos nem Inteligência, nem Conhecimento, nem Desprendimento suficientes pra perceber a Ironia.
6. Admitimos q a Força Maior só é percebida plenamente qdo a Inteligência, o Conhecimento e o Desprendimento trabalham unidos pra despertar risadas em pessoas de humor superior.
7. Fizemos uma lista de assuntos, opiniões e situações q não nos fazem rir, admitindo a possibilidade de q nem sequer consigamos notar a presença duma ironia acidental ou proposital.
8. Comprometemo-nos à não nos intrometer qdo essas opinião, situação e assunto causam riso em pessoas com senso de humor –nem sequer qdo uma situação, assunto ou opinião se refere à nós mesmo, nem sequer qdo cremos estar entendendo o q se passa.
9. Listamos as pessoa cujas risada já reprovamos, e prometemos q enquanto vivermos jamais voltaremos à reprová-las por seu riso, visto q òbviamente são pessoas alguns degrau acima de nós na escala humorística.
10. Através de árduo estudo, incansável diligência e impiedosa auto-crítica, procuramos incrementar o número, a intensidade e a duração de nossas risada, embora saibamos q elevar nossa Inteligência por esses meio talvez seja um sonho quixotesco.
11. Prontificamo-nos à praticar estes princípio em todas nossas atividade
12. Tendo experimentado um despertar humorístico graças à estes Passo, procuramos transmitir esta mensagem à outros Desgraçado como nós q não sabem rir de qqer coisa, não entendem certas piada, nem sequer *enxergam* q há uma piada, e ficam enchendo o saco de quem as faz ou de quem delas ri.

6 comentários:

Neanderthal disse...

Ou seja, mais ou menos como aquelas figuras com imagens 3D escondidas, "olho mágico", ou algo assim, que algumas pessoas simplesmente não conseguem enxergar.

Permafrost disse...

Exactement.

Pracimademoá disse...

Talvez o pior artigo da longa história deste blogue.

Como se não bastasse arrogar-se a suposta posição de superioridade contra um determinado grupo de pessoas com base em uma questão subjetiva, empenha-se num esforço razoavelmente detido e meticuloso que nenhum propósito tem exceto ridicularizar o grupo atacado. Mais que pilhéria, vê-se aqui uma verdadeira diatribe, uma postura nitidamente zangada e severa disfarçada de deboche, ou seja, coisa de quem se leva a sério e, portanto, deita-se sem refreio bem no centro do alvo da própria crítica.

Ou, como se diz na língua que o autor idolatra, "The joke is on you."

Fora os artigos bons arruinados pela insistência do uso do linguajar mentecapto. Ainda não parou de falar em línguas, isso só pode ser influência satânica! Peça uns conselhos à Irmã Cley, ela pode lhe ajudar...

Permafrost disse...

Demoá,
Pô, Demoá… ô, pô, tou te estranhando.

Pô.

Pracimademoá disse...

Ah, está com memória curta. Sempre fui de reclamar quando cabível.

Pô digo eu...

Permafrost disse...

Demoá,
Pô, achei q os vários nível de sarcasmo, até de auto-sarcasmo, não haviam ficado tão obscuro.

Postar um comentário

consulte o doutor