22 junho 2006

Bola ao pé

Nosso envergadoiro doutor não costuma assistir a jogos de qqer espécie e até quase já registrou em cartório q não torce pra nenhum time, muito pelo contrário. Mas, ligado q está nos eventos do mundo, soube recentemente q o Brasil é um dos candidatos num torneio internacional, algo q aparentemente traz ao populacho grandes emoções com hora marcada.

O Adam Gopnik, num artigo da New Yorker qdo do torneio na França, mostrou q o futebol só pode ser esse sucesso todo entre a plebe ignara pq é uma metáfora inconsciente da vida: uma baderna de gente tropeçando e trombando, parcamente controlada por regras simples amiúde violadas, e cujo placar final é zero a zero.

Mas, além do q já disse sobre o papel preponderante da sorte no esporte, o Dr Plausível vai deixar pra depois a demonstração de como o futebol na verdade humilha o Brasil. Então vc já pode parar de ler isto aqui e ir lá ver seu jogo, vai.

7 comentários:

Permafrost disse...

Poi parliamo di quella grammatica.

Pracimademoá disse...

Cito as então sábias palavras do filósofo Perma Frost:

"Mas, Ôô, ¿já ouviu falar em lazer? Algumas pessoas ficam vendo futebol, outras procuram sexo, outras escrevem em blogues. It takes all sorts to make a world."

Pode clicar que linka.

Acho que esse tal de Gopnik era um daqueles meninos tímidos que preferiam brincar de fazer comidinha com a irmã e ficava longe da molecada para não apanhar muito. Sabe tanto de futebol quanto um... americano.

Permafrost disse...

Ah, sim. Ter um insight sobre uma forma de lazer não é acusá-la de irrelevância ou parvoíce.

Mas porém contudo entretando todavia, reafirmo q it takes all sorts to make a world, princípio este q o fuTeVol (a dobradinha futebol/tv) empastela e esmaga como um rolo compressor, ao entuchar tanta gente numa só categoria, num McLazer.

Pracimademoá disse...

O Dr. poderia dar umas boas risadas com as letras dos hinos. Nem precisa ver o jogo. Basta ver a execução do hino.

Permafrost disse...

Vc nem falou e o doutor já foi ouvir os hinos da Argentina e do México.

Da Argentina, gostou especialmente destes versos (não cantados na tv):

"Nos ferozes tiranos, a inveja
cuspiu seu pestífero fel.
Sua bandeira sangrenta levantam,
e provocam a lida mais cruel."

E o México não ficou atrás. Veja estes versos (tampouco mostrados na tv):

"¡Guerra, guerra sem trégua a quem tente
desta pátria manchar os brasões!
¡Guerra, guerra; que se encharquem
nas ondas de sangue os pátrios brasões!"

¡Êta!

Ícono disse...

Ma... con un atimo de nostalgia meridionale, senza perdere de vista il piato cebole del luminoso, il ciarca ralentando de la propina, lasciata ogni speranza i voi chentrate... assai.

catalina disse...

I don't have time to read it all

Postar um comentário

consulte o doutor