18 setembro 2003

Olha o casto

O Dr Plausível é notoriamente avesso a discussões sobre religião, haja visto q muita gente já foi degolada, enforcada, fuzilada, extorquida e já teve blogues exterminados por levantar o pirex da plausibilidade. Mas qdo se trata de usar o aparato legal em defesa duma religião, nosso envergadoiro doutor não deixa de curvar-se às sonoras gargalhadas. O bom de ser agnóstico são as gargalhadas. Pois eis q um editor gaúcho, em vez de ser ridicularizado por cretinice, foi condenado a dois anos de serviços comunitários por escrever e publicar livros anti-semitas.

¿Sinceridade? Não vejo onde está o problema. O q o cara fez é o equivalente lógico de escrever um livro/artigo/&c expressando sua mais profunda convicção de q a girafa descende do elefante e q, por conseguinte, toda pessoa de pescoço comprido deveria arder eternamente no fogo do inferno. Como não há, nem provavelmente jamais haverá, qualquer mecanismo legal q autorize pôr em prática o q ele prega, os pescoçudos deveriam limitar-se a escrever outros livros/artigos/&c condenando o sujeito a arder eternamente no fogo do inferno, e nada mais.

Ainda q eu ache duma tremenda babaquice q um tapado qqer isole um determinado grupo religioso e registre prà posteridade sua opinião pessoal sobre o mesmo, tb acho q não há como aceitar a opinião segundo a qual o holocausto e outras perseguições devem outorgar aos judeus imunidade vitalícia e oficial contra a possibilidade de ser alvo de preconceitos babacas. Aliás, o fato de q ninguém ainda propôs uma "solução final" contra os pescoçudos deveria ser um argumento em favor de protegê-los mais do q aos judeus, visto q a probabilidade de estes voltarem a ser perseguidos sistematicamente é menor q a de qqer outro grupo vir a sê-lo (inclusive pescoçudos, como não?).

Outraliás, o mais justo seria q eu (por exemplo) pudesse processar uma religião inteira, ou todas elas, por pública e sistematicamente insultar minha alma. O mundo está abarrotado de livros, artigos e declarações q abertamente pretendem desabonar minha alma (segundo esses mesmos escritos, meu mais valioso bem), e por associação o restante de mim, insinuando q estou condenado ao fogo do inferno apenas pq não visito regularmente um agente a mando de Roma e a ele admito atos condenados por esses mesmos livros, ou então pq as mitocôndrias de minha mãe não descendem das da mulher de Abraão (presume-se q o judaísmo se difunde pelas mitocôndrias), ou pq duas ou três vezes ao dia não consulto uma bússola antes de enfiar a cara no chão e resmungar elogios a Alá. Entre essas três religiões, o judaísmo é a q insulta minha alma mais sistematicamente: o cristão e o muçulmano apenas requerem q eu me converta pra q deixem de me ofender; mas pro judeu eu não fui escolhido por seu Deus e ponto final: mesmo q eu me converta ao judaísmo, minha alma sempre será de segunda. Eu considero isso sufficient grounds pra processar o judaísmo por insulting my soul ou insoulting, termo criado por este q vos escreve pra ajudar o Brasil a passar à frente dos EUA em matéria de invencionices legais com finalidades lucrosas.

Se alguém pensar em me chamar de anti-semita, já vou dizendo q anti-semita é a vó, pq não sou de pisar em meus próprios calos. Tenho três sobrenomes: um judaico, outro europeu e outro árabe. Ou seja, dois deles são de origem semita. So there.

4 comentários:

Nianderthal disse...

Seguem alguns dados sobre inclinação religiosa:
Pesquisa realizada pelo CERIS em 2000, dados da região metropolitana de SP.

A) Pergunta sobre crença que melhor representava a identidade religiosa do indivíduo:
53% Católicos
29% Evangélicos
10% Cristianismo - sem instituição religiosa definida
4% Cristianismo com variações
1% religião não cristã
2% Agnósticos/Ateus
1% não responderam

B) 93% consideram religião: importante (17%), muito importante (26%) ou fundamental (50%)

http://www.ceris.org.br/download/relfinalcatolicismo.pdf

A amostra na RMSP contou com 898 e a pesquisa contou com colaboração cientifica da PUC. Entretanto, não tenho como afirmar se a metodologia adotada pode ser considerada científica ou não, mas se esses dados forem representativos, podemos afirmar que vivemos em um ambiente com elevada tolerância ao implausível.

Pracimademoá disse...

Hahaha! Maravilhoso! Fodam-se as religiões, todas elas! A maior mentira, o maior golpe, a maior falcatrua de toda a nossa civilização!

Permafrost disse...

Gargalhadas ecoam pelo templo vazio. Entra a máquina. Cadê a tomada?

mauro tatini disse...

adoooooro!

Postar um comentário

consulte o doutor