06 agosto 2003

Pai dos burros tb pode ser babaca

A exemplo do Dr Plausível, q é um assíduo usuário de dicionários, nunca encontrei um dicionário da língua brasileira cuja reputação escapasse ilesa dum diagnóstico plausibilógico. Há pouco saiu o Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos, q é até bom e útil mas tb não é lá essas coisas, e q recomendo para tratamento com nosso energético e esclarecido humanista.

Todo dicionário de sinônimos impressiona pelo vulto, mas este é resultado de puro acaso, pois ¿toda palavra não deve aparecer no mínimo três vezes? Por exemplo: babaca: adj, s coió, papalvo; coió adj, s: babaca, papalvo; papalvo adj, s: babaca, coió. Mas ¿não parece malandragem? Pra mim parece. Todo dicionário de encontrar palavras deveria ser feito nos moldes do Thesaurus do Dr Roget. O único publicado no Brasil, q eu saiba, foi o heróico Dicionário Analógico (Idéias Afins) de Francisco FS Azevedo, dificílimo de achar (uso meu exemplar a toda hora, mas já está antiquado e se desmontando). Esse negócio de ter q ir daqui pra lá e de lá pra cá à procura duma palavra q nos escapa é coisa de coitado.

Nada disso é implausível, claro. Implausível é um editor alardear q fez um dicionário de sinônimos e antônimos do qual propositalmente tirou certas palavras q considerou demasiadamente informais. ¡¡É isso mesmo o q fez o moço q editou o DHSA!! O exemplo q dei (babaca) foi fictício, pois no DHSA aparece babaca: basbaque; e aí vc procura basbaque e aparece basbaque: babaquara, ingênuo, papalvo, pateta, simplório, tolo. ¿Cadê babaca? Sumiu. Mas não é erro, não. O próprio editor diz com todas as letras na introdução de dicionário mais empolada q já li: "Não há vocábulos de gíria inseridos nas sinonímias, mas eles aparecem no dicionário como entradas (veja fofocar, por exemplo). A intenção é sugerir ao leitor palavras não informais, se precisar evitar a gíria em seus textos." ¡¡SE PRECISAR EVITAR?? ¿Q catso de dicionário é esse? Se eu compro um dicionário de sinônimos, ¡é justamente pq não quero evitar certas palavras! (Além disso, notem q ele menciona um "leitor" e não um "escritor" ou "usuário". Sintomático, ¿não?)

E ¿qual é o critério pra "palavras informais"? Pro coió, deve ser "palavras que acho feias" ou "palavras de uso corrente", ¿ora pois não? Pois ¿vcs já ouviram alguém usar basbaque em vez de babaca? Eu, nunca. Quer dizer então q se eu estiver tentando me lembrar duma palavra q o editor do DHSA considerou deficiente em "não-informalidade", ¿vou ter q comprar outro dicionário? ¡Ora, façam-me o favor! ¡Quanta babaquice! Q seja, então.

5 comentários:

da casa disse...

Ignorance abounds. Que desânimo, que desânimo.

Ale disse...

Nossa, tô fora desse dicionário!

da casa disse...

É verdade, o editor quer ter 'leitores'. Mas eu preciso do dicionário para escrever. O que eu quero é ajuda, não censura.

Nialderthal disse...

Quando vc vai me devolver o meu dicionário de idéias afins.

mequetrefe disse...

Isso mesmo, dacasa, muito bem dito.

Postar um comentário

consulte o doutor