24 novembro 2015

Retardos inglobos


Um dos sintoma da hipoplausibilose é qdo a ignorância se junta ä burrice e ä preguiça, e *mesmo assim* o infectado protubera seus miolo pela boca.

Isso não acontece com vacinados. Qdo, por exemplo, um tradutor vacinado ignora a existência duma palavra ou expressão, sua inteligência o avisa q, pelo q vem sendo dito, aquilo q ele entendeu não faz sentido semântico ou gramático, ou é incaracterístico, e portanto provàvelmente tem algo ali q ele ignora. Ele então se empenha até descobrir o q é.

Mas aí um dos maior diretor cinematográfico do mundo é entrevistado no noticiário mais respeitado da maior rede televisiva do Brasil, q supostamente detém um diploma de vacinada, e tem os melhor repórter e os melhor tradutor e intérprete à seu dispor.

Aí o diretor diz:
«My opinion hasn’t changed one iota.»

E aí o tradutor interpreta:
“Minha opinião não mudou qdo eu fiquei velho.”

HAHAHAHAHAHAHAHAHA

¿Qtas outra sandice deve ter interpretado esse tradutor provàvelmente bem pago da maior rede televisiva do Brasil? ¿À qtas outra sandice vc deve ser exposto diàriamente por não conhecer os original?

Aliás, nem precisa ter havido um original, né?

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

http://globoplay.globo.com/v/4629427/

17 comentários:

Rafs disse...

Eu não conhecia a palavra iota mas deduzi pelo contexto e acertei na mosca. E eu nem sou tradutor profissional. Isso parece mais coisa de gente querendo passar uma imagem ruim de outrem. Ou ele ou algum produtor do programa nao gosta do Tarantino. Ou talvez seja só eu implausívelmente me recusando a acreditar na burrice alheia.

Pracimademoá disse...

"Mas aí um dos maior picareta do mundo é entrevistado num dos muitos noticiário da maior rede enganativa do Brasil, q supostamente tem muitos repórter da qualidade medíocre que se vê em praticamente qualquer lugar e fazem eles mesmo as tradução quando precisa."

Pronto, consertei para você. Até usei seu dialeto.

arbo disse...

Tô na mesma do Rafs, não conhecia mas acertei pelo contexto. Mas essa era fácil né, até o google faz melhor q a grobo: https://translate.google.com.br/#en/pt/My%20opinion%20hasn%E2%80%99t%20changed%20one%20iota.

¿Oncotô? disse...

Ei, doc, ¿estás louco?

"[...] é entrevistado no noticiário mais respeitado (sic) da maior rede televisiva do Brasil, q supostamente detém um diploma de vacinada (sic) [...]"

¿Hipoplausibilizou-se? 'Inda bem o "supostamente".

Well - - - Quando perceberão que esse tipo de tradução, mesmo que com o diretor spaghetti-samurai, que chamo (a tradução) carinhosamente de sketchy-pro_pudore-r-r-r-r-r-r-r-annoying -- em português claro, vertida transleixadamente -- é, hã, exatamente isso? Pô, meu: ¿brasileiro é tão preguiçoso quanto estadunidense pra ler uma porcaria de uma legenda?

Rafs disse...

Oncotô, o que vc quis dizer com seu último parágrafo? Que os tradutores das grandes mídias simplesmente são incompetentes/não tão nem aí? É isso?

¿Oncotô? disse...

Rafs, há tradutores competentes em todas as mídias -- até nas de massa. Em todas as ocupações há os competentes E honestos (tirando, é claro, a classe política e a advocatícia). O que disse é que -- em minha opinião -- a tradução dublada dessincronizada com as falas originais soa artificial, além de parecer querer subestimar a inteligência do público. Melhor a legenda, e quem não souber ler... (Bom, pensando melhor, se analfabeto, literal ou funcional, é obrigado a votar e ainda póde procriar... Direitos a todos, ¿né?)

Mas ora veja, se um público de cinema consegue ficar ~2 horas assistindo um filme legendado, ¿por quê o público de TV não póde assistir assim durante alguns poucos minutos?

Rafs disse...

Oncotô,

Ok. Foi uma falha da minha memória. Quando li seu comentário (no dia seguinte) tinha me esquecido que o vídeo era (porcamente) dublado e (achando que era legendado) não entendi o que você quis dizer.

E, sim. O povo é muito preguiçoso pra esse tipo de coisa. Não a toa que só aumenta a quantidade de salas cinema com versão dublada de filmes. Já vi alguns cinemas ou nem lançarem a versão legendada ou lançarem em poucas salas/horários. A proporção de filmes dublados tem aumentado demais nos últimos anos. [Por exemplo: em um cinema perto da minha casa, hoje (03-12-2015), tem 6 filmes em cartaz. Um deles brasileiro. Os outros 5 tem várias salas e horários dublados (variando de dois a cinco horários por dia), mas apenas 2 destes tem versões legendadas. Cada uma em apenas uma sala e um horário por dia.]

PS: se você alienar os analfabetos e preguiçosos (nesse contexto) lá se vai metade da população brasileira. Não é rentável.

Rafs disse...

Oncotô, concordo plenamente em relação a qualidade da dublagem. Também odeio e sempre odiei essas traduções simultâneas que não são simultâneas. Não gostava disso mesmo antes de aprender inglês. As interpretações são simplesmente horrendas e jogam fora todo o ritmo e prosódia (sem contar o timbre), aniquilando qualquer qualquer característica marcante do original.

Mas o povão não presta atenção nessas coisas. Aliás, eles não tão nem aí. Eles só não querem ter que fazer qualquer esforço enquanto se entretêm. Isso é coisa de gente minuciosa (e por vezes chata) como você e eu.

¿Oncotô? disse...

Poizé, Rafs. Parafraseando o sacode-a-lança, se all the world's a stage, entonces most of the cast is horrible.

Li um comentário (não sei se é verdade, mas é bem possível) que, ao menos na Espanha, TODOS os filmes estrangeiros são dublados. E todo mundo sabe da aversão dos estadunidenses às letrinhas amarelas no rodapé da tela. Parece que isso é fenômeno mundial. Mas há quem diga que, na verdade, somos agora a geração mais inteligente, ou, pelo menos, a mais autocrítica da história, como defende um velho conhecido de Brasília: xr.pro.br/default.html (ver "27 de Novembro, 19:35").

Pessoalmente, não tenho mais saco pra ir ao cinema, a menos que seja um filme arrasa-quarteirão, em todos os aspectos (direção, roteiro, atuação do elenco, fotografia & caralhada). É, coisa rara; estou ficando mais chato -- ou mais seletivo. Até em música (clássica, minha paixão), não tenho mais paciência pra ir num concerto: constatei que a maior parte não se compara em performance a uma gravação de referência -- em música de câmara/orquestra, há diversas versões gravadas da mesma composição musical. Fora os que chegam atrasados e atrapalham a concentração, a broncopneumonia (incrível a quantidade de tosses!), os celulares ocasionais etc. Pior, tiro no estômago, foi isso que li uma vez, a respeito do último movimento da nona sinfonia beethoviana:

http://euterpe.blog.br/critica/engano

Aplausos ¿depois de uma harmonia claramente (para os ouvidos ouvintes) não-conclusiva? WTF? ¿Só porque havia pausa no trecho do movimento? ¿Estão surdos musicalmente? Beethoven estava literalmente surdo, mas não musicalmente. Aliás, qualquer ouvido treinado, mesmo entre infantes, pode distinguir um acorde "de suspensão" e um de resolução, pelo menos na música tonal. 'Inda mais na conhecidíssima nona de Beethoven. Só ouvir com mais atenção, pô! É triste.

Parece que o mundo tá ficando pequeno, tecnologicamente, e distante, afetivamente. Contradição de nossos tempos.

Sei lá.

Rafs disse...

Oncotô,

Adorei a paráfrase do sacode-a-lança. Perfeito. (Mas quem é sacode-a-lança?)

Você quis dizer ouvido treinado no mesmo sentido do texto, de estar acostumado a ouvir musica tonal (sem precisar de treinamento musical formal)? Sim, o encerramento deixa a sensação de "aberto", "e aí?", "cade o resto?". Acho que o autor acertou na mosca do porque isso acontece aqui no Brasil.

O Marcus Valerio me pegou bem de surpresa. Mas é o caboclo do mensalão mesmo? No site tá escrito com "U" mas o nome do mensaleiro é com "O". Eu também acho (achismo) que a atual geração é muito auto-crítica, mas mais inteligente, não sei. Tem muita repetição por aí. Há uma avalanche de novos (e velhos porém repaginados) termos auto-críticos se transformando em clichê. Metade do tempo o povo tá sendo muito auto-crítico mas parece que nem parou pra pensar no que tá falando. Só achou bonito, se identificou e danou a repetir.

¿Oncotô? disse...

Ué, ¿não conhece o sacode-a-lança? Foi contemporâneo do Xico Toicinho :-)

Música tonal a gente escuta a todo o tempo. Fomos criados e educados pela música tonal. É por isso que um acorde dissonante ou mesmo uma composição atonal soa estranha, medonha (pra maioria). Mas não tão medonha quanto a falta de sensibilidade e de bom senso (da maioria).

O XR não é o cara do mensalão não, ele até já passou uns perrengues pela confusão :-) Mas eu penso o seguinte: a proporção de pessoas inteligentes e de pessoas estúpidas no mundo sempre foi mais ou menos constante. Tinha gente estúpida na democracia grega, só ver a condenação de Sócrates. Acontece que os estúpidos agora têm megafones e alto-falantes, ou seja, fazem mais barulho que antes.

Rafs disse...

Okay. O programa administrador dos coments não quer deixar eu postar. Estranho.

Não conheço Xico Toicinho também. Parece jogo de palavras. Sacode-a-lança, especialmente, parece um sujeito muito bem dotado e pelado balançando o instrumento.

Pro google só existe o Sacode, uma banda de forró, daquelas bem ridículas.

jornaleiro explicando piada cinematográfica disse...

"Extra! Extra! Quintino de Taranto lançará em breve a estória de Jesus de Nazaré, nos últimos dias. O diretor garantiu que será muito mais gore e nonsense do que "A Paixão de Cristo", de Melquior Gilberto Filho. Cogita-se que haverá o personagem Hameleto, de um autor inglês apócrifo -- uma cena vazada na internete mostra o príncipe dinamarquês segurando a caveira de Jesus e recitando 'Born again or not born again, that is the islamic question!', logo depois do resto do corpo, meses depois da decomposição, sair andando (ou melhor, dançando), agitando el esqueleto ao estilo harlem shake, acompanhado de onze judeus, incluindo o Chavo del Ocho, que sempre leva a culpa de tudo, como todo judeu, que esperaram semanas defronte à tumba, até que os soldados saíssem do posto devido à greve da Legião dos Soldados Romanos. Há rumores de que o futuro filme do mago do cinema pop-cult-gore-spaghetti traga também Samuel L. Jaque Filho no papel de 'Chico Xavier', que, segundo rumores, seria uma surpresa do filme."

Permafrost disse...

Rafs,
O Oncotô vem te apresentando ao venerável mundo da zucchinization.

Sacodealança = Shakespeare
Xico Toicinho = Francis Bacon

Agora, ¿quem são os músico abaixo?

Beto Planta
Joãozinho Grana
Chico Correia

E ¿esta expressão?

Hot saw, hot see!

¿Oncotô? disse...

HAHAHAHAHAHA

Lembrei de um anime que passava na extinta TV Manchete, onde um grupo mezzo-adolescente entrava numa casa etc. e ninguém podia pronunciar a palavra "quente" senão desaparecia, daí uma garota cumpre uma missão lá dentro de forma surpreendente e um dos garotos fala "¡Quem te viu, quem te vê!" e na hora desaparece.

Ah, agora lembrei de um poema do Alberto Caeiro, d'O Pastor Amoroso, que começa assim: "Quando eu não te tinha". ¿Será que foi proposital do Ferdinand Persona, a fim de sacanear (ou querer sacanagem) com a sua Miranda?

Ah, também lembrei (¡orra memória exaustiva!) de um vídeo do Suassuna falando dos nomes estrangeirados que se colocam aqui no Brasil (¡hilário!):
https://www.youtube.com/watch?v=9XWVOh588Ug


(Mas aê, o tal jornaleiro aí de cima podia ter melhorado o roteiro e o modo de noticiar o próximo filme do Quintino de Taranto, opa, Quentin Tarantino, ¡que salada indigesta!, parece mais o roteiro de Monty Python noticiado por um Gumby :-D )

Rafs disse...

Perma,

Hahahhahaha

Robert Plant, Johnny Cash e (como o oncotô já falou) quem te viu, quem te vê. Não sei quem é Francis Belt(?). [Tá me faltando conhecimento musical adequado, ou talvez brincar um pouco(?) mais com palavras em inglês].

O pessoal que visita aqui (em geral) tem bom humor, mas eu não esperava humor nessa linha. Esse é bem o meu tipo de humor: (como diria minha namorada) "bobo" :oD

Oncotô,

Eu também me lembro (ainda que forma distante) de assistir esse anime quando criança. Lembro de ter ficado revoltado por achar muito injusto.

Rafs disse...

Perma,

(Off-topic) O Doutor tá acompanhando todos os escândalos, processos, impeachment, non-impeachment, passeatas e toda a histeria coletiva? Qual a opinião dele? E ele tem gargalhado bastante ou situação tá gerando mais é enternecida compaixão?

Postar um comentário

consulte o doutor