31 julho 2015

O bordão da Valdirene

Não sei si vcs sabem, mas nosso epistrófico doutor acha a maior graça de bate-boca político. Pq, pô, né? Si um cacho de jacas cair num fosso de víboras, elas terão uma discussão mais inteligente sobre as causa e conseqüência da jacagate do q ouve-se em qqer foro político de humanos.

Olha esta aqui, dum tal de Arnaldo Jabordão da Valdirene:

«O Brasil pode tar ä beira dum colapso econômico, talvez irreversível.»

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

É verdade. O cara disse isso mesmo. Tem até um vídeo com ele mesmo dizendo isso, aparentemente na maior sinça.

Q um cara seja pago pra dizer isso, até vai, né, pois emprego tem uma variedade q não acaba mais neste planeta. Vejam só, tem até um cara q desentope privada enfiando a mão. Mas uma coisa é vc ver uma comédia e dar risada; outra, é sair ACREDITANDO naquilo tudo. Pq, pô, né? Hipoplausivirol é tarja preta, mas não é tão caro.

Interpretar frase não é difícil. Basta vc prestar atenção no q as palavra significam. Vejam:

«O Brasil pode…» Pode q sim, mas tbm pode q não. Quem diz ‘pode’ ao falar do futuro, é pq não sabe bulhufas de quê tá falando. Dizer ‘pode’ é dizer ‘quase talvez’: “Meu nariz pode ter sido implantado por uma raça microscópica de alienígenas numa operação intra-uterina.” Pode, ué. ¿Quem sabe?

«…pode tar ä beira…» O mundo todo tá o tempo todo ä beira de algo. Então ¿qual é a novidade qdo um país PODE tar ä beira de algo? ¿Quem é q se expõe ao ridículo dizendo “meu nariz pode tar ä beira dum espirro”?

«…ä beira dum colapso …» Aí a coisa ficou séria, hem? Tá quase prendendo a atenção do doutor.

«…dum colapso econômico…» HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
Jabordão, meu filho, tu tá lendo muito livro de buraco negro. Si te pedir pra definir ‘colapso econômico’, tu começa à gaguejar. Si te pedir pra descrever o processo todo de como é q botar uns corrupto da Petrobrás na cadeia colapsaria uma economia com 200 milhões de integrantes, tu pedia permissão pra ir ao banheiro secar o suor na nuca.

«…talvez…» ¡uuUÔpa! …pode … ä beira … talvez … aiaiaiaiai ¿Cadê q onde é q isso é um coisa, Jabordão? A probabilidade dum evento futuro expressada por certas palavra é um dado subjetivo bastante preciso. Segundo exaustivas pesquisa do Instituto de Plausibilática de Talynn:
• ‘pode’ é uns 10%
• ‘ä beira’ é uns 20%
• ‘talvez’ é uns 5%
Isso dá uns 0,1%. Ou seja, o Jabordão tá dando o alarme prum perigo de 0,1%. Hmm. Vejamos então sobre quê ele quer nos alertar com tanta… com tanto… ãã… com tanto anti-clímax.

«…talvez irreversível.»

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

¿É isso mesmo, Jabordão? Tipo assim, ¿uma entidade q se define essencialmente tbm por sua economia (Brasil) tem 10% de chance (pode) de tar 20% encaminhada (ä beira) pruma paralisia total (colapso) de sua própria definição entitária (econômica), e o paralítico resultante tem 5% de chance (talvez) de jamais voltar à mexer um único músculo novamente (irreversível) em todo o resto da eternidade?

¿Tu não PENSA no q fala, Jabordão? ¿Alguém com o nariz no lugar diria “Meu nariz pode tar ä beira de espirrar meu pulmão, talvez eternamente.”?

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

consulte o doutor