04 janeiro 2013

O descasca-cobra

Um tipo de romance, filme ou peça q nunca jamais vai ganhar um Plausuto de jeito nenhum é o chamado descasca-cobra: vai descartando personagens depois de cìnicamente usados pelo autor. Ele ama tanto seu tosco herói-alter-ego q não hesita em sumàriamente livrar-se de qqer outro personagem q atrapalhe sua epopéica saga. O artifício tem longa história: por exemplo, Dickens –q escrevia sem plano geral, ao sabor da popularidade– foi um grande usuário. O novo paradigma de descasca-cobra é “Todo sobre mi madre”, de Pedro Almohadóvar. (Si a protagonista desse filme fosse uma vilã tal como a do referenciado “All about Eve” seria mais digerível. Mas ¿Almohadóvar fazer mulher vilã ou traveco escroto? Pode esperar sentado.) ¿Tem coisa mais cóinga do q acompanhar a gradual expiação duma heroína q, pra isso, precisa q os coadjuvante morram ou sumam de vista um por um à sua volta, depois de dar ä heroína o q ela queria ou “precisava”? Típicamente, a solução narrativa do descasca-cobra é dar cabo de personagens pra não complicar a vida do autor: “Pô, imagina ¿vou ter q ficar juntando ponta solta? Isso é coisa de costureira. Meu negócio é dar de gênio. Deixa morrer. Morte sofrida de gente boa dá audiência. Ah, e põe aí umas referência à outros filme, q crítico e povaréu adoram destrinchar referência.”

Pô, olha só qtas gargalhice nesse filme:

• O filho de Manuela morre só pra ela poder ajustar contas com seu passado.
• A freira Rosa, enfraquecida pela AIDS, morre dando ä luz um menino pra q Manuela possa substituir seu filho.
• A mãe milionária da freira não quer em casa um neto filho de traveco portador de AIDS: uma treta narrativa pra permitir q Manuela adote o bebê.
• O pai do bebê é o mesmo do filho q morreu: um traveco q morre de AIDS após absolver a consciência pesada de Manuela.
• O filme tem outro traveco, q ajuda Manuela em tudo, diz umas piada e some sem deixar vestígios (numa carta, Manuela se desculpa por ter sumido sem se despedir; tsc).
• Através do bebê, Manuela tem sustento garantido na velhice pois, após descobrir q ele *milagrosamente* não contraiu AIDS no útero da mãe, Manuela pode ir morar com a vó rica do moleque.

Além da matança utilitária, atrás de “Todo sobre mi madre”, tem um gerador de coincidências rodando um motorzinho de catarses. É muita maldade com nosso estesiogênico humanista. O filme encheu o Dr Plausível de sentimentos ambíguo: ele não sabia si sorria ou bocejava, si dormia ou ria, si roncava ou gargalhava.

O código de ética de editoras, estúdios e teatros bem q poderia incluir mais uma categoria no rol de estilos ficcional: romance, policial, comédia, aventura, descasca-cobra. Pq pô, né?