14 abril 2012

Ternura na internêta

Não sei si vcs sabem, mas nosso empíreo humanista já ganhou vários festival internacional de ternura. No mais recente, o 14° Internur de Tangará d'Oeste, ele fez até o prefeito lacrimejar. Um talento, esse doutor.

Então. Internur é uma coisa; internêta é outra. É com conhecimento de causa q o doutor aconselha o seguinte:

Na internêta, qdo vc ler uma citação ou um relato q desperte em vc um sentimento puro de ternura incontida, um enlevo espiritual ou uma pontada de esperança, ou q ilustre suscintamente uma postura ideológica vossa, evite enforcar vossa credibilidade; faça isto:

1- cheque a veracidade;
2- cheque a autoria.

A probabilidade de o q vc leu ser:

1.1- falso,
2.1- falsamente atribuído

é de 98,7%.

Assim, vc talvez decida não re-enviar, não re-publicar, não favoritar, não laicar; em suma, relegar tanta ternura ao poço de perversidade hipoplausibilética de onde saiu.

Lugar de ternura é festival.

E, por favor, não re-envie, não re-publique *isto*.

10 comentários:

My dear nineleven disse...

Ô, dá uma escutada na musica de abertura da nova novela das sete. Uma tal de Ex - my love, cantada por uma balofa aí. A escola Belchior com seu maravilhoso curso "Foda-se, prosódia" está finalmente de volta. Assim como eu estarei, caso sobreviva.
Quanto à ternura, sei lá, que se dane.

Permafrost disse...

Nineleven,
What the fuck hell shit is that?!? Se botar essa musga na vitrine, ¿vale qto?

Neanderthal disse...

É um pouco na linha do I'm not dog no.

Permafrost disse...

Hoje alguém q conheço xingou o jazz. Aí eu arrespondi com isto:

Se a música é paixão q se declara,
o jazz é uma navalha q separa
quem toca de quem posa e só executa,
quem ouve de quem meramente escuta.

Rafs disse...

Perma,

Se isso for verdade eu tô num interminável limbo musical. Tanto pra tocar quanto pra escutar. Jazz é chato. Assim como bossa nova e mpb em geral.

Permafrost disse...

Rafs,
Bom, depende de que tipo de jazz vc já ouviu; o jazz é cheio de vertentes. Deve have alguma vertente q te agrade. (Tbm, claro, depende da qualidade dos músicos.)

Rafs disse...

Eu já escutei jazz que eu gostei. Sempre tem músicas boas em todos os estilos musicais, e talvez em todas as vertentes de todos os estilos. A questão é que jazz em geral não me empolga. Nunca tenho vontade de pôr um jazz pra escutar.

Pracimademoá disse...

Só gente chata usa a palavra "vertente". Ou gente que ouve música chata.

Pracimademoá disse...

Nineleven, odeio você por me fazer abrir o Youtube e escutar essa porcaria. Eu era bem mais feliz antes de hoje.

Também odeio você por comparar o Belchior com esse lixo.

Pelo menos a moça é negra e gorda mas não canta daquele jeito chato igual ao que quase toda negra gorda canta, ceissabem do que eu tô falando.

My dear nineleven disse...

@Pracimademoá

A comparação é em relação ao pouco caso quanto à prosódia, comum ao COMPOSITOR (certo?) da musiqueta em questão e ao Belchior que, com todo respeito, deveria ter se dedicado à poesia e desencanado de tentar musicar suas letras. O resultado assemelha-se, digamos, ao esforço de se tentar colocar 7 balofas iguais num Mini Cooper. Até é capaz de dar, mas vai ficar espremido e bizarro, no mínimo.

Postar um comentário

consulte o doutor