24 julho 2011

A discobiciclotimia

Não não, peraí. ¿Precisa ter música pornô em todo lugar?

HAHAHAHAHAHAHA

Hoje fui acordado äs 10 da manhã por um telefonema de nosso eversivo doutor, q escancelava a glote äs gargalhadas. ¿Isso lá é hora de acordar um trabalhador honesto em pleno domingo?

Mas… ¿Isso fui eu pensando, ou foi ele dizendo? ¡Ambos! «¿À quê devo o prazer de vossa gargalhada nesta ociosa e amena manhã?» indaguei. Aí ele levou o telefone até a janela e o q ouvi foi… foi… ¿Música de discoteca? de motel? de gostosa mostrando a bochunda na tv? ¿Um sujeito berrando ao microfone num caminhão de trio elétrico? ¿Que catso, doutor?

É q ele tá passando uns tempo confortando a lenta morte dalguns paciente terminal na aprazível cidade de São José dos Campo, evitando q o mal se espalhe; e qual não foi sua surpresa hoje qdo metade de seu tratamento profiláctico despencou Paraíba abaixo pq algum tronho quis pq quis promover um passeio ciclístico.

HAHAHAHAHAHAHA

«¡Mas doutor!» obtemperaria o leitor atento, «Um afável, brando, casto, deleitoso e eucrásico passeio pelas agradável paisagem do Vale do Paraíba ¿quê tem à ver com os malsonante grito dum pateta em cima dum caminhão tonitruando musga de bumbumbunda pelas rua duma cidade?»

«Pois é. Absolutamente NADA. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA»

E essa é a moda agora. Por obra e graça do hipoplausivírus, a bicicleta —talvez a maior invenção da humanidade— agora é pùblicamente humilhada por uma das pior invenção, o caminhão-decibel: num passeio ciclístico —q teòricamente celebra a natureza, o impoluente, a quietude, a escala humana—, o caminhão-decibel vai ä frente puxando um cordão de milhares (sim, milhares) de vítima condicionada à identificar alegria com barulho.

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

5 comentários:

Natália disse...

Uai, mas não sabia que eminente doutor habitava a mesma cidade que eu! E eu também xinguei muito os organizadores do evento, que me acordaram em plena madrugada de domingo com essa gritaria. Nunca tinha visto bicicleta fazer tanto barulho! hahaha

Neanderthal disse...

Vou fazer aqui uma análise que o doutor não vai gostar. O tronho que quis pq quis promover o passeio ciclístico fez isso pela única e exclusiva razão de ganhar dinheiro com o evento - e talvez aparecer um pouco. De duas uma: ou tinha uma empresa patrocinadora, ou ele conseguiu dinheiro com a prefeitura. Ambos implicam em atrair pessoas ao "point" do evento. Pode bem ser que o tipo de artifício usado não seja de bom gosto ou do agrado do doutor, mas, considerando o nível cultural médio das pessoas, pode ser que tenha atingido o seu objetivo. Espero que não. Gostaria de ver fracassar esse tipo de coisa de mau gosto. Já tive problemas com um baile funk nas redondezas, todo sábado, das 23 às 04 hs, promovido por traficantes. Conseguimos mobilizar algumas pessoas afetadas e, de forma anônima, conseguimos impedir futuras realizações - mas isso era um evento ilegal, fora dos horários previstos. O seu parece estar dentro da lei.

Permafrost disse...

Natália,
¿Aí no Rio tbm teve passeio discociclístico? Aiaiai. Pêsames.

Derthal,
A patrocinadora foi a Bauducco, a notória panetoneira. Não faço a menor idéia de qual bejetivo pode ter uma panetoneira em armar um barraco em julho. Se tá dentro da lei, chuquenão. ¿Não tem aquela coisa de "perturbar a paz"? Os cara dão uns trocado e conseguem qqer coisa. Mas o pobrema principal é ¿que catso tem a ver passeio naturalista com discoteca? HAHAHAHAHAHAHAHA

Ontem foi níver de SJC, e armaram outro barraco. Teve show duns roqueiro mineiro, q o doutor ouviu de cabo a rabo (e muito mais) de janelas fechada à 2.8km de distância. Dois mil e oitocentos metro: a distância entre o Ibirapuera e o Masp. E ¿¡¿que catso tem a ver uma banda mineira de rock (?) tocando megalowatts no níver duma cidade do vale do Paraíba?!? Tou dizendo q hipoplausibilose é pandemia… E brasileiro é particularmente suscetível, pq este país é novo-rico e acha q alegria se mede em decibéis.

Natália disse...

permafrost, tô falando não do doutor plausível (q é prof de inglês como eu, não?), mas do outro eminente doutor, o médico de sjc (cidade em q moro). mas eu posso estar confusa entre os doutores. vc é qual?

Permafrost disse...

Natália,
Realmente, o Dr Plausível tá passando uns tempo aí em tua cidade. Mas como ele é apenas um personagem, vai ser difícil vê-lo passeando ou ouvir sua inspiradora gargalhada. Já eu, sim, às vez dou umas aulinha de inglês pra subsidiar meus lazer.

Achei q vc fosse do Rio e q tinha dito aquilo como metáfora de "tamos-todos-no-mesmo-barco".

Postar um comentário

consulte o doutor