10 maio 2011

Elevação e queda do ensino

Não sei se vcs sabem disso, mas o Brasil até q já teve uns nativos admiráveis.

Um brasileiro q tem o saudável apreço de nosso eufônico doutor é Anizio Teixeira, q nasceu pràticamente imune ao hipoplausivírus e teve a presença de espírito de aprender, aplicar, imitar e adaptar algumas idéias educativas do gênio euaense John Dewey num país até então notòriamente avesso à aprender e aplicar, embora já bem versado em imitar e adaptar. Se vc, ilustrado leitor deste blogue, nasceu na segunda metade do século passado, então deve ao Dewey (e, por associação, ao Teixeira) a maior parte das coisas boas em tua educação escolar; as coisas ruins foram (e são) ranço dos carunchos pré-teixeirinos …ou estultices educacionais pós-teixerinas.

O Dr Plausível não é muito de sair por aí admirando qqer um, não; mas o Teixeira até q se saiu bem nesse quesito. Como se vê neste documentário, foi preciso ter galhardia pra promover neste país a escolarização gratuita, laica e obrigatória. O cara foi perseguido como ateu e comunista, pelo Estado Novo, pela igreja e pelos militares; teve q esconder-se no sertão e exilar-se no estrangeiro. Ainda assim, parte de suas propostas foram implantadas –mais por pressão da curva de Gauss do q por iluminarem-se os retrógrados.

Não deu totalmente certo –mormente por causa do clima tropical, favorável ä proliferação do hipoplausivírus. É difícer educar a mente e administrar um país em português; muitos tombam no caminho. A mistura de provincianismo e progressismo, de intelijumência e inteligência, de escamoteio e escola é evidente até mesmo no texto do documentário sobre esse q chamam de 'maior educador do Brasil'. Vejam, por exemplo, a confusão de tempos verbais neste trecho:

«Nesta[?] época, Caitité era conhecida como "a corte do sertão". Ainda em Caitité, Anizio faz o curso primário no São Luiz … q era da Ordem dos Jesuítas. A Europa vive a primeira grande guerra qdo Anizio viaja pela primeira vez para Salvador … Anizio quis entrar para a Companhia de Jesus … mas essa decisão[?] foi veementemente combatida por seus pais. O desejo de seu pai … era q ele seguisse carreira política e, assim, o convence à estudar direito no Rio de Janeiro, onde ele se forma em 1922.»

Isso parece escrito por duas pessoas q não se conversam; ou pior: por dois lados do cérebro q não dialogam. No brasilês escrito, é comum demais pra não ser causado por uma deficiência generalizada na formação educacional da mentalidade brasileira.

Irônico, não?

(Aliás, ¿tem coisa mais horrenda do q o galicismo de, em biografias, usar o presente histórico –q, segundo o Houaiss, "dá mais vivacidade e atualidade ao texto"? HAHAHAHAHA)

Irônica foi a morte de Anizio Teixeira. Por insistência de amigos, candidatou-se à uma vaga na Academia Brasileira de Letras. Pra conversar sobre o assunto, foi ao apartamento de Aurélio Buarque de Holanda; depois da visita, saiu do apartamento e não mais foi visto. Seu corpo foi encontrado alguns dias depois no fundo do fosso do elevador. Há quem veja aí um assassinato pelo governo militar, mas é possível q ele não tivesse… ãã… verificado se o mesmo encontrava-se parado naquele andar. E ¿por quê? Há várias explicações, mas a irônica é pq ainda não era obrigatório nas portas de elevadores daquela época esse aviso de redação estapafúrdia, ignorante e semi-letrada.

2 comentários:

Pracimademoá disse...

Eu também detesto esse "presente histórico". Mas não adianta explicar, as pessoas não entendem. Acham bonito, como tem gente que acha bonito andar com as calças arriadas na altura do joelho.

Agora esse aviso do elevador eu nunca entendi. Será que tem gente que entra em elevador de olhos fechados? Fecha os olhos, abre a porta e pula pra dentro gritando GERÔNIMO? Como pode não ver que... eeeh... tem alguma coisa faltando? Acho que até cego de bengala bate no vácuo e percebe que tem alguma coisa errada.

Neanderthal disse...

No final dos anos 70 morei durante um ano em Londres e visitei Portugal diversas vezes.
Naquela época, percebia-se claramente uma grande diferença entre os dois países. Na Inglaterra, havia escolas em cada esquina - escolas bem estruturadas. Em Portugal, não se via uma, deixando a impressão de que português não acreditava na educação como forma de progresso . Sei que as coisas mudaram e Portugal hoje investe muito mais nessa área. Entretanto, herdamos um pouco dessa descrença na educação. No Brasil, acredita-se muito mais na hipótese de que o progresso pessoal vem da malandragem e não do conhecimento e trabalho.

Postar um comentário

consulte o doutor