06 fevereiro 2011

Pernas curtas e ouvidos de lata

Nosso escrupuloso doutor já fez diversos one-man lobbies no ministério da saúde pra passar a Lei do Burrifo –uma medida, digamos, cautelar q obrigaria todo município brasileiro à periodicamente borrifar Plausivirol nas principais cidades. Pq, pô, viu. O mundo todo sabe q a internêta é um charqueiro pestífero onde o hipoplausivírus funga por vítimas, mas nenhum excelentíssimo senhor ministro dá ouvidos ao doutor.

Pq, vejam bem, o vírus penetra o cérebro pelo ouvido, e são vítimas constantes os pacientes com otoestanhose (ouvidos de lata). À seguir, um caso recente ilustra a malignidade dessa contagiosíssima moléstia.

Sesdias (um sábado), um blogueiro rapazola resenhista literário amador resolveu publicar um email em q uma editora praticamente o ameaçava judicialmente se não apagasse de seu blogue uma resenha desfavorável à um certo livro. Aí uma porção de gente achou a atitude da editora um bessurdo, um escândalo, um abuso editorial, um despautério, &c e tal; deu o maior bafafá, leitores dando apoio, conselhos legais, o baralho à buatro. Alguns especularam q o email tinha vindo da editora Record e começaram à protestar diretamente ä editora. Até O Globo noticiou o não-fato e tentou contactar o blogueiro.

Tem aqui uma imagem do blogue (q o rapazola fechou, qdo viu a bestice q fez).

E aqui um cache do texto q originou o bafafá.

Bastou nosso eterno humanista ler a tronhice pra cair na gargalhada.

Pq, pô, né? Só mesmo a otoestanhose pra explicar como tanta gente boa foi enganada nessa pabulagem da grossa. O doutor imediatamente diagnosticou o rapaz: hipoplausivirose galopante na hipófise, e graciosamente me permitiu mostrar à meus leitores como chegou à essa conclusão. Qdo vc enxerga, é óbvio.

Pelo texto do rapaz, logo se vê q ele, digamos, não transborda em recursos de estilo. Ainda é jovem e tem tempo pra aprender. Mas ao ler o pretenso email da pretensa editora, vê-se q esta, digamos, tampouco transborda... Hm. Há uma conveniente vaguidão específica –em frases tais como "um dos títulos publicados pelo nosso grupo editorial"–, muito utilizada em fraudes amadorísticas; além disso, o email tá escrito com os mesmos ritmos e entonação do blogueiro, e numa voz peculiar:

"Viemos através dessa", "o imediato fechamento desse."
"entendemos e até certo ponto, respeitamos"
"somos de teoria que"
"no sentido de nos fazer vender"
"dessa forma" usado no sentido de 'por isso'

Entre esses ítens, chamam imediatamente ä atenção 'ser de teoria' e 'dessa forma'. ¿Que fez então nosso doutor? Procurou no blogue mesmo outras instâncias dessas peculiaridades. E ¿onde foi achar 'ser de teoria que'? Ora, ¡na própria denúncia, logo no primeiro parágrafo! "Sou de teoria que um blog blablabla".

HAHAHAHAHAHAHA

Argumentar-se-ia q o rapaz poderia tar ironizando o email. Ok: plausível, embora improvável –dada a otoestanhose geral de seu blogue. Vejamos então 'dessa forma'. Os resultados dessa busca tão aqui.

De fato, o rapaz amiúde usa 'dessa forma' como 'por isso':

«O formulário do blog deu problema, muita gente se inscreveu e não teve seus dados enviados. Dessa forma, resolvi fazer essa nova promoção...»

«...existem livros que são prioridade em minha pilha porque devem atender à estratégia de divulgação planejada pelos respectivos editoriais[sic]. Dessa forma, obras nacionais podem levar até 5 semanas para serem lidas.»

¿Qtas pessoas, caro leitor, vc conhece q usam 'sou de teoria' e 'dessa forma' dessa forma? O email da editora tem gosto e cheiro de lorota.

Sábado ä tarde, o doutor já tava expectorando a gargalhada; não disse nada pq nesse estágio pouca gente iria enxergar a piada. Mas o blogueiro ainda tinha um golpe de bestre na banga. Qdo começou à pipocar uma desconfiança geral de q essa história tava mal contada, ele publicou domingo ä tarde outro pretenso email da pretensa editora. Veja como o doutor [entre colchetes] leu o adendo do blogueiro:

«O E-MAIL NÃO PARTIU DA EDITORA RECORD E NEM DIZ RESPEITO A FALLEN! ... A Luiza, que é a assistente de marketing, sempre leu e respeitou minhas opiniões.

«...depois de vários conselhos de profissionais editoriais [em pleno sábado ä tarde], entrei em contato com a assessoria de imprensa do grupo editorial [no expediente do sábado ä noite] e enviei o link do post. Algumas horas depois da repercursão[sic] no Twitter [q aconteceu domingo de manhã], recebi um e-mail do próprio publisher [trabalhando no domingo, devido ä suma importância do blogueiro] que vocês conferem abaixo.

«Caro Sr. Silva,

«Chegou ao meu conhecimento
[sábado ä tarde] um suposto [ué?] post envolvendo a alta diretoria [não sou megalômano] do nosso grupo.

«...acredite em mim
[por favor, acredite em MIM] quando digo que a referida funcionária [¿Luíza?] que lhe enviou essa mensagem [cherchez la femme] NÃO FALOU EM NOME DO GRUPO [caixa alta: recurso muito usado por blogueiros e altas diretorias...].

«Estamos tomando as devidas providências na apuração do caso
[em pleno domingo] e garantimos que o senhor será notificado quanto ao andamento do caso. Asseguramos também que ... uma ação judicial, vista como "causa perdida" pela maioria dos especialistas [todos eles consultados hoje, domingo, de manhã], será movida contra o senhor [se nada será feito, então ¿qual é o "caso" q terá "andamento"?].»

O estilo púbere do email já soltou um cheirume; mas o pior mesmo foi o ato falho de falar duma "referida funcionária" qdo a única funcionária referida foi pelo próprio blogueiro três parágrafos antes de ele começar à redigir o segundo email.

HAHAHAHAHAHAHA

E o atual ministro da saúde nem tchungas.

----

De maneira alguma nosso evulsivo doutor pretende denegrir a imagem do blogueiro. Todo mundo faz cagadas. Dada a pressa com q fechou seu blogue e sumiu de vista, o blogueiro aprendeu à duras penas a lição de q brincar de gente grande se faz entre crianças, não entre adultos. Mas, já q o intuito do texto acima foi explicar uma técnica diagnóstica, espero q meus leitores tenham aprendido algo sobre como prevenir-se contra a otoestanhose. Trocentas pessoas ficaram incensadas com a editora (mas qual?), publicaram notas de repúdio, textos indignados, tuitadas revoltadas. É irônico q tanta gente defenda o direito de expressão sem no entanto atentar ao q é expressado.

----
(contribuiu: Bel Seslaf)

01 fevereiro 2011

Desleixo monumental

Nosso epitômico doutor, ora em Brasília solucionando detalhes especializadíssimos das relações Brasil-Japão, todo dia passa horas entuchado num escritório trabalhando com aquela seriedade peculiar dele. Tadinho.

Então, muito me agrada ver q pra ele é um alívio sair ao ar livre na capital brasileira e gargagargagargagargalhar sem parar vendo todo aquele imeeEEenso monumento ä estupidez q perpetraram Juscelino Kubitschek, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e o resto da patota hipoplausivirótica com sua visão futurista-década-de-cinqüenta-em-país-ingênuo-e-atrasado. O Niemeyer, como escultor, foi um péssimo comunista.

Já eu, acho triste. Tanta falta de cidade, de urbanismo, tanta falta de uso, de cuidado, tanta falta de escala humana, de conhecimento sobre o humano... puts, que lugar deprê. A imbecilidade e o desleixo do projeto todo são de lascar, ainda mais pq é impossível voltar atrás, dizer "Tscupaê, gente, aquela utopia pós-guerra corbuseriana não deu certo. Descobriu-se q as pessoas são seres humanos. Vortemo pro Rio. AQUILO é q é capitar."

Mas o doutor se esbalda. Ainda mais agora q acaba de voltar duma longa estadia numa CIDADE de verdade, pô, q os cidadãos usam, permeiam, articulam, discutem, conservam, embelezam e (só pra ratificar) usam. Em Brasília, o doutor começa à rir no Eixo Monumental, gargalha num Setor Habitacional qqer, e só pára (por dó) qdo chega nalgum Setor de Invasões Ilegais. Ô figurinha pra rir, viu. Daqui à pouco, até a Polícia Federal vai querer interrogar. Mas aí é q ele não vai parar mesmo.

Olha, ele até prometeu q, se a japonesada der uma brecha, ele manda umas fotos pra ilustrar as gargalhadas.