26 janeiro 2011

Cientista social

Pessoa q tem um hobby e pensa q é uma profissão.

13 janeiro 2011

Posfácio do Andrada

Depois de resolver vários problemas na Grã-Bretanha, nosso esvoaçante doutor ora passa uns meses em Brasília.

A capital do Brasil é uma pérola, viu? Vodzeumacoizpcê, viu, leitor... Vc passa ali perto daquelas esculturas do Oscarito onde se decide os desvios da nação, e tem tanto hipoplausivírus no ar q vira um miasma. Não dá nem pra tirar foto. Na entrada das sinapses congressuais, o HPV chega à fazer fila q dá volta no quarteirão. Ou na quadra, como se diz ali. Cada coisa, viu?

Olhem por exemplo esta aqui:

Na câmara, um tronho deixou de herança um projeto de lei q quer pq quer q TODA livraria em território nacional tenha ä venda TODO e qqr livro produzido no Brasil.

HAHAHAHAHAHAHAHA

E se não quiser comprar, tem q explicar por quê por escrito.

HAHAHAHAHAHAHAHA

Leia aqui, se tiver paciência.

Aiaiaiai. Deve ser culpa do Oscarito. Pq pô, ¿já viu aqueles prédios esculturais lá em Brasília? O Oscarito (...apesar de comunista...) fez uns prédios q não têm a menor noção do q é a escala humana – todos boiando acima de pilotis, tentando flutuar ali como se não houvesse leis tais como a da gravidade. Aí vc entra, e metade do prédio tá embaixo da terra, sem janelas, e a outra metade tá flutuando numa caixa a 20m do solo, tbm sem janelas... ¡apesar da luz e da vastidão do Planalto Central em volta! Aí ¿que acontece? Congressista em Brasília perde totalmente a noção de ESCALA. Só em 2009, foram publicados mais de 20 mil títulos novos no Brasil, e mais de 30 mil reedições. Imagina o tamanho q uma livraria teria q ter pra satisfazer essa lei estupafúrdia. Tanta coisa por fazer no mercado editorial, e esse paciente terminal vem com essa...

E aí o Pedro Herz, dono da Livraria Cultura, tira um sarro desse projeto de lei, dizendo q as lojas compram os títulos q querem vender "assim como um mercado compra o arroz que quer, o feijão que quer."

Mas esse livreiro, hem, vou ti contar. Alguém tem q chegar-lhe ao pé do ouvido e dizer, "Pedrinho, não dá idéia, meu filho. Assim, daqui a pouco algum outro tronho vai querer q TODA quitanda venda arroz de toda e qqer marca produzida no Brasil."