25 novembro 2010

A gaussocracia

No mundo de hoje, com tanto dinheiro gasto em marketing e exércitos pra promover a democracia, é difícil pacas achar uma única pessoa q não, dalgum modo, "acredite" nos ideais democráticos. Nem sequer nosso eláfrio doutor deixa de entusiàsticamente defender a dita cuja; e de fato o faz, e com o mesmíssimo entusiasmo q aconselharia subnutridos à ingerir ovos podres num deserto faminto. Aliás, não faltam receitas com ovo podre —na culinária chinesa, por exemplo; pode checar, clica aí:


Mas mesmo apoiando a barrigudinha, o doutor não acredita em democracia; e vc tampouco; nem teu vizinho, nem teu chefe, nem teu governador. Na verdade verdadeira, absolutamente NINGUÉM em lugar algum do mundo acredita em democracia. Vc mesmo pode confirmar o doutoral diagnóstico. Pegue um amigo teu q alardeia uma inabalável crença nesse sistema (uuââââ... ronc-ronc) "em q o povo exerce a soberania". Pergunte ao despistado democrata o q ele faria se num plebiscito 70% da população decidisse q, sei lá, toda e qqr infração de trânsito fosse punida com um tiro na testa do infrator, após um julgamento sumário ali mesmo na rua pelo guarda, q receberia comissão por cada execução; e alguns meses depois em assembléia constituída 80% dos deputados eleitos decidissem q toda criança de 11 anos devesse compulsòriamente passar um ano inteiro internada numa instituição onde seria iniciada em todas as práticas sexuais possíveis; e no ano seguinte um novo plebiscito decidisse q à partir dos 60 todo cidadão devesse ter um membro amputado e triturado à cada 5 anos pra fazer ração de gato, tornando-se aos 75 um inválido sem braços e pernas.

Mas ¡que exagero, não? ¿Que é q deu no doutor pra imaginar absurdos assim?

HAHAHAHAHAHA

Pois é. São absurdos, mas absurdos possíveis. Pra q se tornem realidade numa democracia, basta q sejam votados pela maioria; nada mais simples.

Então. ¿Quê diria teu amigo se essas leis fossem de fato aprovadas pelo voto? Melhor: ¿quê FARIA? ¿Mudaria de país? ¿Entraria na política? ¿Criaria uma milícia subversiva? ¿Viraria terrorista? Ou talvez ele apenas continuasse sua vida, reclamando do governo e do vizinho, tal como já faz... A questão é q aquelas leis horrendas, apesar de possíveis, são improváveis. Por serem improváveis, ninguém com um mínimo de senso comum acredita q a sociedade possa virar uma aberração cataclísmica dessa envergadura.

Portanto, no fundo não é em democracia q teu amigo acredita; ie, ele não acredita q a vontade da maioria é soberana, qqer q seja. Ele acredita é na curva de Gauss:

Ao plotar estatísticas de fenômenos naturais, sociais, culturais, físicos, biológicos &c &c &c, pouquizíssimos aspectos não resultam numa curva de Gauss. Quase tudo q acontece no universo tá lá no centrão do q teòricamente é possível acontecer. O universo tem uma regularidade e uma inércia —uma estabilidade fundamental— em torno da qual acontece a variabilidade. Essa estabilidade média central é äs vezes difícil de discernir, mas ela tá ali sempre.

Qdo aplicada ä política, a curva de Gauss pode ser visualizada assim: isole uma gama de opiniões sobre um assunto; disponha-as à grosso modo numa linha horizontal, indo da mais radical prum lado até a mais radical pro outro; conte qtas pessoas têm cada opinião variante; o resultado sempre será mais ou menos a curva de Gauss acima. Vejamos, por exemplo, uma gama de opiniões possíveis sobre como punir um estuprador assassino de menininhas:

-3 esquartejá-lo aos poucos até ele morrer
-2½ castrá-lo e estuprá-lo diariamente pro resto da vida
-2 enforcá-lo
-1½ castrá-lo
-1 torturá-lo
-½ prendê-lo perpètuamente
0 prendê-lo por alguns anos
+½ colocá-lo num programa de reabilitação social
+1 dar-lhe uma surra
+1½ dar-lhe um bofetão
+2 dar-lhe uma bronca
+2½ fazer-lhe cosquinhas no pé com uma pena
+3 xingá-lo de bobinho

A opinião da grande maioria do povaréu vai oscilar entre -½ e +½, raramente longe da média normal. E vai ser assim pra QUALQUER opinião.

Na realidade, só existe a gaussocracia; os governos democráticos são apenas sistemas pra dar emprego e meios de corrupção pra quem alega ser capaz de administrar um país através da média normal. Teu amigo apóia e coopera com a democracia apenas pq ele mesmo é um ser mediano, cercado de seres medianos. O q acontece numa democracia é q o centrão+½ tenta puxar a curva um cagagésimo pra cá e o centrão-½ tenta puxar um cagagésimo pra lá —e a curva de fato oscila periòdicamente, como uma gelatina. Mas no fundo, sempre, há 10 mil anos, há 100 mil anos, até mesmo onde nunca houve democracia, o centrão acaba predominando: só persistem as posições políticas e sociais mais coadunadas com a realidade física e biológica, com as possibilidades e exigências da física e da biologia –q por seu lado *tbm* tão fundamentalmente subordinadas ä curva de Gauss.

O mundo é Gauss: a arte é kitsch, a música é brega, a ideologia é sentimentalóide, a escola é burra, o governo é medíocre, e a democracia é pouco mais q um método pra periòdicamente desagradar ou incomodar alguém dalguma forma durante algum tempo. E, pra nosso doutor, tudo isso é esputàvelmente hilariante.

Sorry, periferia.

19 comentários:

André disse...

A palavra chave aí é "estabilidade". As pessoas tão mais preocupadas com sua vidinha pessoal, seus pequenos dramas e alegrias que fazem cada um de nós.
Por isso mesmo que a democracia é boa. Aquelas leis propostas pelo dr. não são apenas improváveis: são, de fato, impossíveis sob qualquer constituição (a menos que antes disso haja um golpe de estado, mas isso já traria instabilidade por si). As constituições tão aí pra evitar que a gelatina caia pra algum dos lados. A democracia é a vontade da maioria sim, mas, digamos, filtrada pela representatividade em primeiro lugar, e pela própria constituição como filtro maior.

Tanto é que muitas ditaduras existem pq o povo não tá insatisfeito com o governo (a ditadura brasileira é o exemplo perfeito). Mas o bom da democracia é pode alterar a representatividade, não é? Num governo ditatorial quem mexe na gelatina são alguns poucos. Na democracia há a sensação de que nós também colocamos a mão na gelatina!! Isso não é legal?

MI disse...

Não obstante não pormos a mão em nada.
A democracia não existe pq não existe, e não pelo que a mente luciférica do doutor elucubra. Não existe pq o governo, que deveria ser usado (acionado me soa mais apropriado) apenas para manter a ordem quando da desordem, é a própria causa da falta de ordem, pq governa, não é servidor, apenas. Não existe pq nas maiores nações democráticas, qq lei, por mais insignificante que seja, visa antes de tudo o bem-estar do legislador. Se por acaso contribuir para o bem-estar de mais alguém, que bom, né?
Bom, pelo menos desta vez a culpa ou a não-culpa não foi de idiomas e nem de crenças religiosas. Nhééé!
Não esqueça do adoçante!

Permafrost disse...

André,
Pelamãedoguarda, não vá achar q o doutor propôs ou proporia aquelas leis. ¿Tá querendo q ele perca o alvará? Como foi dito, o doutor defende a democracia entusiasticamente.

Note q vc acha impossíveis aquelas leis *justamente* pq vc acredita instintivamente na curva de Gauss. Mas acho q vc tá pondo 'democracia' e 'democracia representativa' no mesmo saco. Apesar de não acreditar em democracia (já q ninguém acredita), o doutor recomenda fortemente a democracia representativa: ¿que outro sistema garante q o populacho vai ficar cuidando de sua vidinha e não vai encher-lhe o saco?

Se toda decisão fosse regida por amostragens estatísticas de 100% da população, prevaleceria realmente a vontade da maioria, e aí haveria democracia plena. Mas ¡vade retro! Falando por mim, seria um pesadelo ter as leis decididas pelo povaréu – com seus preconceitos bobos, suas crenças tolas, suas picuinhas baratas e sua festancidade amorfa. A democracia representativa presidencialista brasileira tá só um degrau acima disso.

MI,
O ponto em questão é q MESMO não havendo democracias exemplares, MESMO havendo ditaduras, e até mesmo se HOUVESSE alguma democracia exemplar – ou seja, em QUALQUER circunstância – a gaussocracia SEMPRE termina prevalecendo, quæ sera tamen. Toda a população do planeta acredita na gaussocracia – ie, ninguém sequer contempla a possibilidade dum universo, planeta ou país q não se conforme ä curva de Gauss. Qto à diminuir o interesseirismo dos centralizadores de decisões, hmm, acho melhor vc esperar sentado. :•D

Raf disse...

"... seria um pesadelo ter as leis decididas (...) com seus preconceitos bobos, suas crenças tolas, suas picuinhas baratas e sua festancidade amorfa."

Ué! Mas já não é assim?

"Toda a população do planeta acredita na gaussocracia"

Acredito que seja por isso que primeira reação de alguém que houve uma opinião que saia do centrão seja de preocupação e medo. "Ai meu deus, e se ele conseguir converser mais gente. Medo, muito medo".

A pergunta "Mas e se todo mundo pensase como vc?" é evidência evidente da gaussocracia.

Permafrost disse...

Raf,
"Mas já não é assim?"
Não exatamente, por duas vias:
1. A democracia representativa é um agente enrijecedor da gelatina gaussiana, de modo q ela não balança tanto. Se deixasse o povaréu decidir diretamente, digamos através de plebiscitos ou estatísticas, haveria uma revolução a cada dois anos.
2. Outra via é q na dem.repr., o característico pânico da manada ignara é filtrado, aliviado e depurado através do debate. Nesse aspecto, o sistema brasileiro ainda tá no estágio da choldra; o Brasil é mantido em equilíbrio (dinâmico) a duras penas pela inércia e pelos pouquíssimos debates racionais.

Note q a gaussocracia governa o mundo na moita, como bem demonstra a pergunta q vc citou.

Raf disse...

Saindo do assunto. Acho engraçado (ainda não sei bem pq) que qualquer porcaria usada em épocas de aperto, em que não se tinha mais nada pra comer, se transforme em algo requintado. É esse ovo centenário, escargot e mais centenas de pratos, especialmente lá na China.

O que será que é isso. Gosto pelo exótico? Vontade de sair da mesmice? Isso até faz sentido. Mas, donde esse povo tira a idéia de que comer uma lesma* pode ser algo requintado?

*eu sei, é caracol, não lesma, o que não melhora nada

Raf disse...

Outra coisa engraçada é (como vc diria) o despiste na descrição do ovo centenário. É óbvio que um ovo guardado por meses vai ficar podre. Mas essa palavra nem é mencionada no texto. Como poderia? Ia pegar mal, né?. Estragar o "charme" da coisa. ai ai viu

Neanderthal disse...

Entre no site da Assembléia Legislativa de SP para ver quais as leis que estão tramitando e sendo aprovadas.
90% são (a) nomes de rua, ou (b) "utilidade pública".

Permafrost disse...

Raf,
É, ¿não é? ¿Que será q os sofisticados comiam mil anos atrás? Devia ser uma dieta enfadonha, já q os pobres foram os q inventaram a diversão culinária.

Derthal,
HAHAHAHAHAHA
Manda o linque, pô. Só achei o sítio da AL do estado.

Raf disse...

Permafrost,

Nem um pouco sutil o seu comentário. Mas, ok. O meu comentário não foi uma crítica a você ou a qualquer um que goste de diversão culinária. Nem quis dizer que quem a inventou foram o pobres. Apenas me deu vontade de comentar sobre algo que passou pela minha cabeça quando li a descrição do ovo centenário. Me parece óbvio que se alguém se vê na necessidade de conservar um ovo por meses dentro de argila, pra depois comê-lo podre - e aí repito; não por querer provar algo exótico, mas sim por necessidade - não há requinte. Bem, talvez o requinte de ter o que comer. Ah. Deixa prá lá.

Raf disse...

Acho que as vezes eu sou mal interpretado por eu ser muito enfático quando falo as coisa, e um pouco impaciente pra ficar explicando os detalhes. Deve passar a impressão de que eu sou um arrogante que acha que sabe tudo ou que quero convencer o outro. Ou talvez eu simplesmente não saiba me expressar bem. Sei lá.

Permafrost disse...

Raf,
Eu não tava sendo sarcástico; tava concordando com vc. Tudo qto é comida sofisticada de hoje era comida de pobre mil anos atrás. Aí a gente se pergunta, ¿que catso teria sido comida sofisticada naquela época? Acho q pouca gente sabe, pq qdo tentam ilustrar os nobres europeus ou romanos ou gregos num banquete, sempre tem um cacho de uvas verdes encimando uns pêssegos numa travessa, e um leitão inteiro no meio dumas batatas.

The Gritty Poet disse...

"Nesse aspecto, o sistema brasileiro ainda tá no estágio da choldra; o Brasil é mantido em equilíbrio (dinâmico) a duras penas pela inércia e pelos pouquíssimos debates racionais."

Por isso caro doutor me assusto cade vez que aparecem sugestões de "controle externo" disso ou "regulamentação para democratizar" daquilo. Ambas soam como tentativas de fugir da curva de Gauss e de possibilitar um protagonismo maior de quem está no poder para moldar as coisas, que acabarão num lugar distante do centro.

A formula ideal é uma constituição liberal e um governo Zoolander, bem Zoolander.

Permafrost disse...

Gritty,
Se entendi bem, ¿vc acha ideal uma constituição liberal e um governo populista q não consegue virar à esquerda?

Sei não.

Meu negócio é parlamento. Presidencialismo é foda. Tinha q derrubar todos aqueles edifícios presidencialistas, aqueles congressos eaquelas câmarasbde Brasília, de todas as capitais e de todos os municípios, e construir parlamentos no lugar por todo o Brasil. Do contrário, ninguém nunca vai ficar sabendo se é realmente possível um político brasileiro falar algo q diga alguma coisa.

MI disse...

Negócio é ditadura severa! De preferência com militares na rua e fuzilamentos públicos! Zero de liberdade para qq um! Muito nas mãos de um governo centralizador e repressor! Viva a escravidão!!

Permafrost disse...

MI,
Êi, então já tamos vivendo em tua sociedade ideal... O controle total do indivíduo já é realidade. O povaréu pensa q tem liberdade, mas na verdade o q tem é recreação – tipo, hora certa pros detentos passearem no pátio. Tenta fazer alguma coisa fora do centrão, pra vc ver o q te acontece... A ditatura em q vivemos é não apenas severa mas sutil. Faz tempo q o doutor vem notando; já lhe pedi pra me deixar escrever aqui sobre o assunto, mas ele só gargalhou, o patife.

Arthur disse...

"cream-like substance with a strong odor of sulphur and ammonia" foi foda.

Perma,

Eu sou obrigado a discordar de você. Eu acredito na democracia por ela permitir uma curva de Gauss mais representativa, por usar uma amostragem maior.

Antes da democracia grande parte da população ficava fora dos processos de decisão política, praticamente só podendo participar por uso de violência, ameaça de violência, ou greve. Aumentando muito o custo da participação política para um grande grupo da população.

Todo governo é uma curva de Gauss, a democracia é a curva com maior amostragem.

Mas sou obrigado a concordar que grande parte das pessoas não acredita em democracia. Nem na curva de Gauss. Elas acreditam numa democracia dos instruídos, onde só quem é estudado, bem informado, tem a cabeça no lugar, não é massa de manobra, enfim, concorda com ela, deve poder votar.

Outra coisa Perma. O "povaréu – com seus preconceitos bobos, suas crenças tolas, suas picuinhas baratas e sua festancidade amorfa." existem em oposição ao que? Aos representantes eleitos da população - sem preconceitos, com seu conhecimento científico , seus grandes debates e sua seriedade estóica?Ou com seus preconceitos witty, suas crenças sabias, suas valorosas picuinhas e sua festancidade encorpada?

MI disse...

Bem sei, PF, pois não estou vivendo no país mais "não, não e não", que faz todo mundo achar que é "sim, sim e sim"? A "maior" democracia do mundo é uma patifaria irritantemente grosseira. Mas pra quem é, bacalhau basta, diria mamãe.

Permafrost disse...

Arthur,
"acredito na democracia por ela permitir uma curva de Gauss mais representativa, por usar uma amostragem maior"

Esse é o ponto, justamente. Isso demonstra q não é em democracia q vc acredita. Vc apenas sabe q a democracia permite uma amostragem maior präs decisões políticas, mas não aceitaria decisões muito diferentes do centrão numa curva de Gauss. Portanto vc acredita (ie, bota fé) é na gaussocrassia: ou seja, vc acredita q é melhor haver uma amostragem maior pq assim menos idéias estapafúrdias viram lei. No entanto, se a amostragem fosse perfeita (por exemplo, através dum plebiscito), é bem provável q vc - q suponho ser um cara mais culto e inteligente do q a média - achasse algumas decisões estapafúrdias.

"Todo governo é uma curva de Gauss"

À meu ver, não é assim; e vc tá identificando 'governo' com 'amostragem'. O governo por democracia representativa na verdade NÃO representa o centrão da curva, e é exatamente *por isso* q o doutor apóia a dem.repr. e abominaria uma administração via plebiscitos. Por mais idiota q seja a média dos políticos duma nação, seu centrão sempre vai tar um pouco afastado do centrão do povaréu, e *algum* debate existe entre os políticos – até mesmo num sistema escroto tal como o presidencialismo brasileiro.

Admito q o texto não deixou muito clara a diferença entre, dum lado, a 'gaussocracia' como crença subjacente ä ideologia democrática e, do outro, o caráter fundamentalmente gaussiano da realidade. Talvez futuramente eu esclareça melhor.

MI,
"o país 'não, não e não', que faz todo mundo achar que é 'sim, sim e sim'"

Eu não conseguiria ter expressado isso melhor. 'Democracia' quer dizer tanto "todos têm os mesmos direitos" (ou seja, todos em atrito com todos), qto "governo representativo da maioria" (ou seja, a maioria elege uma minoria). É interessante q nos Euá (por seu individualismo) se enfatize a primeira acepção e no Brasil (por seu coletivismo) se enfatize a segunda.

Postar um comentário

consulte o doutor