19 julho 2010

Economije

A conscienciosidade social de nosso empapado Plausível é um oceano sem tamanho. Exceto, claro, onde o social não tem conscienciosidade plausível. Pq, vejam bem, ¿como é possível q tantas pessoas acreditem q temos q economizar água pra colaborar com o planeta, recomendando q cada pessoa use entre 150 e 200 litros por dia, e ao mesmo tempo acreditem q temos q beber em média 12 copos d'água, uns 3 litros, por dia? Qdo a mesmíssima edição duma revista ou jornal ou noticiário diz as duas coisas em páginas/blocos diferentes, tão precisando tomar um chá de Plausibilol, ¿não tão não?

¿Ou não tão?

Dirá o intreinado leitor, "¿que são 12 copos d'água perto dos 200 litros pra tomar banho, lavar roupa, cozinhar o feijão, &c?" Sigamos, pois, o experimento q o doutor realizou, e é provável q vc tbm, leitor, depois gargalhe e gargareje como ele.

Um dos sinais de q vc tá bebendo água suficiente é a cor da urina. Dizem os pecialistas q ela deve ser quase transparente, minimamente amarela. O experimento do doutor durou uma semana. No primeiro dia ele levantou cedo e foi ä privada mijar pra ver de que cor tava a dele. Hmm. Bem amarela. Bebeu um copo d'água. Começou à trabalhar. Logo sentiu vontade de mijar novamente. Sua urina apareceu levemente menos amarela. Bebeu outro copo d'água. Logou mijou de novo e foi repondo a água q mijava até a noite, qdo, 12 copos d'água depois, constatou satisfeito q sim, sua urina tava muito mais transparente. E ¿não é q funciona mesmo? ¡Hurra! ¡Viva! ¡Cerveja pra todo mundo!

          Ao fim d'último dia
          a doutoral urina
          fluiu tão cristalina
          q quase não se via.


Mas...

Cada vez q foi ao banheiro mijar, foi um cidadão consciencioso, higiênico e urbano: puxou a descarga. Cada descarga gastou em média 10 litros d'água. Ou seja, pra evacuar higienicamente os 3 litros q vc deve ingerir diariamente, vc pode gastar mais 120 litros d'água, num total de 123 litros consumidos por dia. Se os pecialistas dizem q o ideal é cada pessoa consumir entre 150 e 200 litros por dia, ¿que é q se deve fazer? ficar segurando?

Foi aí q nosso eustático humanista viu a solução. Qdo exigências sociais implausíveis conflitam com o bem-estar pessoal plausível, ¿qual vc acha q prevalece? O segundo, claro. O doutor vai beber seus 12 copos por dia, só pra ver sua urina limpa, e o resto do mundo q se esturrique.

O doutor pode tar soando como um egoísta insensível, mas pô, trata-se do doutor Plausível. ¿Vc acha q ele sacrificaria seu oceânico humanismo em prol próprio? Pensa bem: podem sair todos ganhando: se a água q vc bebe sai cristalina, ¿pra quê puxar a descarga? Ao mijar cristalino, o doutor já tá como se fosse puxando a descarga, reciclando a água da privada um copo de cada vez. Ao invés de beber 2 copos por dia e puxar a descarga 2 vezes, usando ao todo uns 20 litros, o doutor agora bebe 12 copos por dia, não puxa a descarga nenhuma vez e usa apenas uns 3 litros. Genial, não?

No fim das contas, não houve gargalhada. Mas uma campanha pra unir as duas recomendações não taria mal: "Economize água: mije." ou simplesmente:

ECONOMIJE.

12 comentários:

Arthur Golgo Lucas www.arthur.bio.br disse...

Com o perdão do trocadilho infame... mijei de tanto rir. :-P

Permafrost disse...

Golgo,
¿Tá vendo? É impossível ser ao mesmo tempo consciencioso, saudável, higiênico e bem-humorado.

Eduardo disse...

Outra solução: mijar na pia (homens ou mulheres excepcionalmente altas) ou no ralo do chuveiro (ambos).

Permafrost disse...

Duardo,
Genial. ¡Tua solução resolve a questão!

Pracimademoá disse...

A Gisele Bundchen andou promovendo a campanha "faça no xixi no chuveiro" ultimamente.

Mas aí são muitos banhos por dia, né? :) Acaba gastando mais.

Arthur Golgo Lucas www.arthur.bio.br disse...

Sabe o que eu acho mais engraçado, Plausível?

É que do ponto de vista ecológico não faz o menor sentido "economizar" água.

Esse é um dos maiores embustes de um movimento ecológico anacrônico, ineficaz e eu diria até mesmo diversionista e portanto prejudicial ao bem-estar do planeta.

Critiquei o @GreenpeaceBR no Twitter e os caras me bloquearam sem tentar dialogar.

O movimento ecológico de hoje me envergonha.

Permafrost disse...

Golgo,
Um amigo meu diz quase exatamente isso q vc disse aí, q é diversionismo. Só não entendi o "diversionista, portanto prejudicial". ¿Como assim, "portanto"? Explica melhor isso aí, please.

Eduardo disse...

@Arthur,

Que bom q vc tb acha isso sobre economizar água. Eu já estava ficando cansado de ser olhado como doido por dizer isso em eventos sobre meio ambiente. A água obviamente ñ vai acabar. O q a gente tem de fazer é tratar dela adequadamente, para q, no futuro, não tenhamos q obtê-a de fontes menos acessíveis difíceis. Também temos de tomar cuidado com os ecossistemas que dependem dela. Se tivermos que economizar, é porque a coisa já tá feia, mesmo.

Permafrost disse...

Duardo,
Em grande parte, a hidromoral ecológica é só mais uma importação. Mas desde criança aprendi a economizar água, e por um excelente motivo: a conta. E acho q é a conta, o q tá por trás dessa onda: a conta da iniciativa estatal q a privada não quer pagar. Dá pra privatizar eletricidade, telefone, correios, estradas, &c, mas privatizar água e esgoto é um pobrema dos baita. Com uma necessidade tão socialmente básica, tão baixa-tecnologia, tão sem charme, ninguém quer mexer mais do q o absolutamente necessário. Só dá prejuízo. Daí, pra reduzir a carga tributária de molhar calçada de pobre, a iniciativa latrina, digo, privada embebeu de hidromoral a maré do movimento ecológico — q, ironicamente, o business ataca ferozmente por promover uma blitz contra o laissez-faire.

Arthur Golgo Lucas www.arthur.bio.br disse...

Diversionista, portanto prejudicial, porque serve como desencargo de consciência para pseudo-ambientalistas acharem que já estão dando alguma contribuição efetiva para cuidar do planeta quando na verdade não estão contribuindo chongas.

Eu tenho batido tanto nessa tecla no Twitter que consegui que o @GreenpeaceBR me bloqueasse por lá. A verdade é que o movimento ecológico virou uma grande empresa pra sustentar líderes de ecochatos iludidos ao invés de fazer algo que preste.

O problema é que muita gente boa que poderia estar fazendo movimento ecológico sério e assim dando uma contribuição efetiva acaba seduzida por estas grandes associações diversionistas e assim são desviadas das atividades que poedriam ser realmente úteis.

Por isso eu digo, como ecologista: morte ao movimento ecológico. Pelo menos a este movimento ecológico. O que nós precisamos é de novas organizações que influam de fato no mercado e na gerência planetária ao invés de ficar pedindo isso pras empresas, pedindo aquilo para os governos e assistindo pateticamente cada pedido ser negado ou durar apenas o tempo necessário para que a "vitória" perca espaço na mídia e na memória popular.

Eduardo disse...

O Arthur tem toda a razão. Assim como algumas pessoas gostam de dizer que lêem para parecer cultas, tem essas que dizem ter ecologicamente corretas. Ler, por exemplo, nada tem a ver com cultura verdadeira. É preciso, claro, assim como é preciso enxergar para saber se tem um poste na sua frente e não esbarrar. Mas ninguém diz que enxergar é bom, que é coisa de gente legal e inteligente nem a Globo não faz propagandas incentivando as pessoas a andar de olhos abertos com mais freqüencia.

Só que nem sempre essa imagem que algumas pessoas adquirem por ler ou serem ecológicas combinam com a imagem que a alguns setores da sociedade querem construir para si. Para alguns grupos de jovens, por exemplo, ler ou ser ecológico não significa nada porque dentro de seus círculos sociais não é requisitado. Aí dá que temos uma turba de jovens intelectualmente vulneráveis destruindo o planeta.

Enfim, 95% das pessoas não está nem aí para o mundo à sua volta, mas apenas em seus egos. De qualquer maneira, vamos prestar atenção nos golfinhos.

http://www.youtube.com/watch?v=a6855H12Ueg

SImone disse...

tome os doze copos de uma vez!

Postar um comentário

consulte o doutor