28 junho 2010

Uriah Heep¹ pede emprego aos Irmãos Metralha

Enquanto passa longas horas ä espera q bata ä porta de seu luxuoso consultório na Av Paulista alguém q não seja estafeta, faxineiro ou porteiro, nosso evidente doutor äs vezes ouve rádio pela internet, äs vezes na CBN. Hoje, um tal de Max Gehringer, aconselhando um ouvinte sobre o q escrever numa carta de apresentação candidatando-se à um emprego, saiu-se com esta:

"Bom dia. Não estou enviando mil currículos para mil empresas. Estou enviando um só, para a Irmãos Metralha. Sei que pode parecer pretensão minha, mas pesquisei muito até encontrar uma empresa q oferece tudo para a minha carreira – uma empresa q vem crescendo 12% ao ano nos últimos 5 anos, e tem uma imagem sólida e respeitável no mercado. Por favor, conceda-me uma oportunidade para ser ouvido. Não quero tomar demais o seu tempo e agradeço sua atenção."

HAHAHAHAHAHA

Se o Dr Plausível fosse diretor duma empresa e recebesse uma carta de apresentação dessas, jogava no lixo sem nem ver o currículo. Já começou à desguarunfar a glote qdo ouviu "Sei que pode parecer pretensão minha &c", mas qdo a carta arrematou com "Por favor, conceda-me uma oportunidade para ser ouvido. Não quero tomar demais o seu tempo...", até veio o arquiteto do escritório acima perguntar qual era a graça. Ele ouviu o Max-conselho, e ficou ainda mais encafifado. ¿Cadê a hipoplausibilose? ¿Que alternativa nos daria o empregante doutor? À seguir, sua resposta.

O escritor imaginado da Max-carta, além de mentiroso, soa como o tipo de pessoa q finge servilismo e humildade só pra conseguir emprego, e não raciocina muito bem. Distância dessa gente. Por outro lado, não deve ser muito confiável um diretor q se deixaria levar por uma carta servil, lugar-comum e mal ajambrada como essa. Ele até evidenciaria tendências sádicas latentes. Distância dessa gente tbm. O próprio Max Gehringer inconscientemente demonstrou não ter respeito pela empresa prä qual imaginou enviar a carta: ao tentar uma piadinha, batizou a empresa de "Irmãos Metralha".

Na hora de decidir quem convidar à uma entrevista, o q tem q chamar atenção é um currículo comprovado duma pessoa q tá te tratando de igual pra igual, q tá apenas se colocando ä disposição pro escrutínio mais minucioso duma entrevista. Veja uma sugestão plausível:

"Caros Srs e Sras,
Vosso anúncio no Jornal de Notícias me interessou. A Empresa Tio Patinhas sempre me pareceu ter um perfil empresarial bem adequado pra receber minha contribuição, em benefício mútuo. Agradeço se considerarem meu currículo."

Se o candidato quiser chamar mais atenção, pode fazer um currículo multimídia – com fotos, documentos, gráficos, linques, &c. Passa a impressão de q ele gastou tempo e dinheiro, e usou raciocínio pra elaborar o currículo.

Qto mais o mundo empresarial se atola em sua própria espiral regida pela Lei Geral de Peter² (the Peter Principle), mais o doutor ri da sandice da industrialização do emprego, da exaltação da racionalização da mediocridade, da quantidade de 'DEs', 'DOs' e 'DAs' q o português exige entre um substantivo e outro.
________
1 Uriah Heep, personagem de C.Dickens
2 Lei Geral de Peter (après Laurence J. Peter): "Qqer idéia q dá certo será aplicada em contextos progressivamente mais exigentes até dar errado – mas aí o sistema já ficou implantado e só resta usar o jeito falho mesmo, até aparecer um melhor."

11 junho 2010

Chutebol

Nosso exportivo doutor casou com a mulher certa. Vejam sua definição de futebol:

"Noventa minutos em q quase nada dá certo."

Gol.

HAHAHAHAHAHA

08 junho 2010

Senta, q lá vem a História

À partir de agora, neste blogue:
• o artigo e o pronome ‘a’ continuarão sem acento: a, a;
• a preposição ‘a’ levará acento grave: à;
• a contração da preposição com o artigo levará trema: ä.

Fechou a porta.
Fechou-a bem.
Falou à todos.
Foi ä feira.


‘ä’ se pronuncia /àa/

Em “Maria foi à sua casa.” muitos leitores erroneamente verão uma contração, e em “João foi à seu escritório.” erroneamente verão um errortográfio, mas ambas frases tão coerentes com o exposto acima.

Inspirado pelo texto de Reginaldo Pujol Filho, soberbamente ilustrado nesta animação: