07 fevereiro 2010

Por ocasião do calor

Qdo nosso emanente doutor era criança e viajava aos quatro cantos da casa com um livro nas mãozinhas devidamente limpas do barro com q brincava na rua, seu precoce faro pro hipoplausivírus... nunca foi notado, nem por ele mesmo. Mas o faro tava lá, trampando nos bastidores.

Sesdias, reminiscendo a aurora de sua vida, lembrou-se dum de seus primeiros diagnósticos. Na época, só não lhe rendeu uma gargalhada pq ainda não tinha dados pra perceber o padrão da hipoplausibilose.

A infecção foi numa fábula de Esopo chamada O Vento e o Sol. Tava lá o Vento matando o tempo numa calmaria, batendo papo com o Sol, qdo surgiu a dúvida de qual dos dois era mais foderoso. Resolveram fazer uma aposta: vendo numa estrada um caixeiro-viajante vestindo um casaco, decidiram q quem conseguisse arrancar o casaco do cara venceria a disputa. O Vento soprou, rugiu, vendavou, furacou, e qto mais tentava, mais o cara segurava o casaco. Fracasso total. Aí foi a vez do Sol; ele saiu de trás duma nuvem, esquentou, calorou, esturricou... até q o próprio caixeiro-viajante não agüentou mais e tirou o casaco pra se refrescar. Moral da história: mais vale o jeitinho q a força bruta. Ou: mais vale a persuasão q a prescrição. Coisas do tipo. Procure na internet e verá qtas edificantes lições de moral tanta gente consegue extrair dessa fábula tão criativa, tão bonita, tão valiosa, tão antiga, tão... tão...

"Mas peraí," disse o doutorzinho, "¿que porra é essa? Chama o juiz aí. Nenhum dos dois ganhou a aposta. ¿Como é q deixam passar essa clara corrupção da verdade, esse desvirtuamento da ética, essa adulteração ideológica como se fosse uma Lição de Moral? Era pra ver quem conseguia ARRANCAR o casaco do cara, não quem conseguia fazer o próprio cara tirar. ¿Que merda de lição tão querendo q eu engula? q basta ser espertinho? q se vc não faz o requerido mas faz algo inesperado q diverte o populacho, então vai se dar bem? ¿Que catso? Aliás, ¿que jeitinho é esse? Se me dizem na escola q só existe vento pq o sol determina o clima, então já era batata q o sol ia ganhar. Então pra conseguir as coisas ¿só é preciso ter poder, usando travestis de vitórias pra engabelar os trouxas q se embriagam de água-com-açúcar? E ¿é pra acreditar em quem, então? na professora, ou neste livro? Vou dizer uma coisa pra vcs, viu, essa coisa q chamam de vida não tá me cheirando bem."

É, às vezes o doutor era meio chatinho. É q os jovens levam tudo tão a sério, né?

2 comentários:

Alessandro Sória disse...

Quando li o título achei que ia diagnosticar hipoplausibilose na thurminha maneira do aquecimento global.

Permafrost disse...

Alessandro,
Embora não chegue a prescrever essa conduta, o doutor não se mete em assunto de q não entende. Não entende mas, sendo ele próprio um homem de ciências, tende a dar mais crédito a cientistas do q a empresários.

Tem um cara q vem esclarecendo coisas no YouTube, e tem se tornado uma referência pra quem descrê da imprensa leiga:

http://www.youtube.com/user/potholer54

Mas o doutor dá sim muita risada de histeria coletiva. Toda vez q a natureza sai um milímetro da zona de conforto, a imprensa faz uma festa.

Postar um comentário

consulte o doutor