30 janeiro 2010

A NoCu e seus protuberantes

A interneta tem coisas engraçadíssimas. Sesdias, fiquei encafifado com a palavra 'dinossáurico', q eu nunca havia ouvido antes de minha digníssima patroa proferi-la – e até achei q poderia ter sido cunhada por ela mesma. Guglando, descobri um textículo dum cara de quem nunca havia ouvido falar (acho q articulista da Veja) tirando sarro da Dilma Rousseff – de quem até o ano passado eu nunca havia ouvido falar – pq ela havia usado 'dinossáurico' numa entrevista de rádio dezembro passado:

Nenhum neurônio (1)
“Planejar era algo dinossáurico”.
(Dilma Rousseff, em entrevista à Jovem Pan nesta segunda-feira, abrindo a semana decidida a mostrar que o Brasil tem a chance de, pela primeira vez na história da República, ser simultaneamente presidido por uma mulher e governado por uma cabeça virgem.)

Leia os comentários aqui.

Ora, vcs tão aqui lendo o Dr Plausível, certo? Já conhecem a figura. ¿O q é 'dinossáurico' perto de outras palavras necessaríssimas cunhadas neste blogue – tais como 'interessância' e 'indesconfundintizabilidade'? ¿O q é uma palavreca bem humorada pralguém q milita abertamente pela complexificação do parco vocabulário semântico do português?

Mostrei o sarcasmo do cara a nosso épico doutor. Ele teria deixado quieto; mas qdo sujeitos como esse articulista e seus comentadores fazem uma cruzada pra transformar a NoCu em partido político, eles ficam tão mas tão hilariantes q o doutor até faz pipoca pra ficar lendo suas aleivosias contra a inteligência mesma q eles acham q promovem. Descobre-se q existe todo um movimento pra sarcasmizar a fala da ministra – q tbm, tadinha, não é flor q se cheire.

Aí o doutor me ditou o comentário abaixo, q enviei lá pro cara:

Perdoe a franqueza; mas, pela evidência do q li aqui, é mais provável q faltem neurônios em vc e nessas outras pessoas q aqui declaram ver indício de burrice na fala da ministra. Não tenho nenhuma simpatia pela ministra, mas acho q quem demonstrou comando de seus neurônios foi ela. É assim q se constróem palavras: derivando. Se ela tivesse querido dizer apenas ‘jurássico’ ou ‘mastodôndico’, teria dito ‘jurássico’ ou ‘mastodôntico’. O q fez foi um bem humorado amálgama dos dois significados metafóricos subjacentes. Entendê-los juntos na mesma palavra – tal como entender o humor sofisticado – requer, como se sabe, inteligência.

A quem se acha culto sem sê-lo, é comum a pequenez de inferir ignorância ou burrice no uso livre e bem humorado da língua. Evidência de burrice é vossa pontuação da citação: colocou as aspas finais antes do ponto, qdo este obviamente é parte da citação.

Ironicamente, vê-se q os auto-denominados “cultos” adeptos do liberalismo &c tbm defendem estupidamente a ditadura da ABL, o autoritarismo dos dicionários (achando q ali se encontram TODAS as palavras possíveis e aceitáveis da língua), e os planos quase-qüinqüenais das reformas ortográficas – marca registrada de seu sangue de barata ou, conforme o caso, de suas tendências autocráticas.


Nosso emoliente terapeuta escreveu isso com a mais digna intenção de auxiliar na cura dum cérebro em delirium tremens hipoplausibilis, e em parte esperando mesmo q NÃO fosse publicado pelo paciente, pra q assim se comprovasse o conteúdo do comentário. ¡E não é q não foi mesmo! Mas o mal-agradecente nocuísta retorquiu com "Não me perdoe a franqueza: pela evidência do q li, ordeno que caia fora."

HAHAHAHAHAHAHAHA

¿Isso é lá um agradecimento cabível? Olha, vida de terapeuta não é bolinho, viu?

É pipoca.