15 dezembro 2008

Os princípios infelizes

Vou dizer uma coisa pra vcs, viu: ô país pra nivelar por baixo. Nosso ebulitivo doutor não passa um dia sem rir de quem rasteiriza o pensamento intencionalmente; mas qdo quem rasteiriza é também quem reclama da rasteira, aí o doutor engasga de espafuçar a laringe.

¡Ô brandura mental! ¡Ô rédea curta!

¿Quer um exemplo?

Em 1888, Oscar Wilde publicou The Happy Prince and Other Tales, q logo virou um clássico de literatura infantil. É coisa de Oscar Wilde; então, mesmo escrevendo pra crianças, e num tom bastante sentimentalóide, há tiradas de humor sarcástico, jogos de ironias em vários níveis, uma profunda sensibilidade pra sonoridades e significados. O Dr Plausível se emociona ouvindo uma versão em áudio lida por John Gielgud enquanto lava a louça (pq, pô, né? lavar louça só perde pra passar roupa como um dos tempos mais perdidos da eternidade...); imagine a tocante cena: um marmanjão desses, lavando louça, com um toca-cds no bolso, ouvindo às lágrimas historinhas pra crianças...

Entra o tradutor brasileiro.

Com o Natal chegando, o doutor quis dar de presente uma versão traduzida pra seus sobrinhizitos. Achou nas livrarias apenas uma versão da Ediouro traduzida por Paulo Mendes Campos. Esse é quase um ótimo tradutor. Não pesca alguns detalhezinhos mais recônditos da língua inglesa, mas dá de lavada em muitos por aí, com seu fraseado bem adaptado ao clima dos contos.

Entra o editor brasileiro.

Esse é vil, viu? Haja cristandade pra perdoar. A capa diz:
O PRÍNCIPE FELIZ e outros contos
Tradução e Adaptação:
Paulo Mendes Campos


Devia também dizer:
Rasteirização, Simplificação, Retardização, Resumição e Despoetização:
O Editor q Chacoalha a Cabeça em Coquetéis


Pq foi o editor, né?, q chegou na orelha do tradutor e disse: “Olha, se vc traduzir tudo certinho, a criança brasileira não vai entender. ¿Que q é esse templo de Baalbec? Nem EU sei o q é isso. E essas ironias todas... Cara, ¿que é isso? De ironia, basta esse presidente analfabeto q tá aí. E ¿vc vai querer q a criança brasileira ¡aprenda a ser irônica!? Ah, outra coisa. Resume os contos aí, pq livro grosso não vende no Brasil.”

Depois desse briefing, o tradutor transformou o complexo, musical e sensível texto de Wilde em pouco mais q uma apresentação de Powerpoint. Desbastou o coitado de tudo q o distiguia de tantos outros contos infantis edificantes. Traduziu pra ser lido pela alegre, extrovertida e simples criança brasileira – aquela q, como outras 30 milhões, sonha em jogar no Real Madrid aos 18 anos.

Nada contra, na verdade. ALGUÉM vai ter q coletar o lixo dos outros, né? Como sempre, a questão q o Dr Plausível enfoca é mais básica – mais assim, tipo, hipoplausibilose vertendo pus no córtex frontal.

Depois de todo o trabalho do tradutor pra simplificar o texto e torná-lo vendável aos pais e mães do Brasil, ¿que acontece? Algum tronho – q por sua vez foi rasteirizado em sua infância por outros meios – tem a idéia de colocar uma biografia de Oscar Wilde na orelha do livro, pra trazer cultura prà criançada. Depois dum paragrafozinho enumerando alguns feitos literários do autor, aparece esta pérola:

"No auge de sua carreira literária, um conturbado romance com Lorde Alfred Douglas causou o fim de seu casamento com Constance Lloyd e tornou pública sua homossexualidade. Foi condenado a dois anos de prisão, culpado de sodomia."

HAHAHAHAHAHAHA

Vai vender q nem água, essa tradução da Ediouro. Todo pai, ao ler a orelha na livraria, vai ser tomado dum desejo irresistível de ouvir o filho perguntar "Pai, ¿que q é 'sodomia'?" ou "Mãe, ¿se eu jogar no Real Madrid, posso virar lorde?"

No próximo artigo, vou dar exemplos da rasteirização dessa edição.

7 comentários:

Rômulo Arbo Menna disse...

AHUAHAUHAUHAUHAUHAUHUAHA
voltou em ótimo nível... e falando do rasteiro. espero pelos exemplos, ansioso.

Edmilson disse...

É isso mesmo. Ótima volta. Hilário como sempre.

Conheci o site a pouco tempo, e já li quase todos os textos e comentários. Fico parecido como o Doutor, gargalhando incessantemente.

Bem, voltando ao assunto do texto, é por essas e outras que estou estudando inglês avidamente (sempre lendo vários textos e assistindo a vários vídeos, além de ir às aulas. Só me falta mesmo viajar para fora do Brasil-Zil-Zil).

Eu quero é me ver completamente livre desse tipo de armadilha.

Quanto a citação sobre Oscar Wild em um livro infantil:

aHahahahahahahhahaha

Putz... Caramba. Contrata-se qualquer um para fazer esse trabalho.

Pracimademoá disse...

Puxa, toca-cds. Comprou na feirinha do MASP? :-))

Neanderthal disse...

hahahahahahahahahahaha

numtenho disse...

pela primeira vez fiz coro ao Dr. Boa!

Neanderthal disse...

Ho Ho Ho - Feliz Natal a todos.

Quero aproveitar para fazer uma reclamação de hipoplausibilidade relacionada a um artigo anterior. É que uma amiga que mora perto do parque Trianom não consegue dormir porque estão projetandio um papai noel no prédio do Fórum da Av Paulista que fica repetindo uma história de natal, Ho Ho Ho, Feliz Natal etc..., até as 2hs da manhã de segunda a segunda.

E a gente ainda acha que pode pedir para as "otoridades" pararem com a barulheira noturna! Hohohoho!

Permafrost disse...

Obrigado a todos pelos comentários. Eu tava viajando.

Edmilson, é isso aí; vai fundo. Só não esquece de usar em português a liberdade q vc tá aprendendo em inglês.

Demoá, só falta agora o "acordo ortográfico" dizer q 'toca-cds' não tem hífen... :•)

Derthal, ¡putaquepariu, até o Papai Noel! ¿Será q ele pára se tua amiga não acreditar nele?

Postar um comentário

consulte o doutor