17 setembro 2007

sementes estranhas

Nosso epifânico doutor – q, como resenhista literário dos Cadernos de Plausibilática, tem uma longa bibliografia crítica oral – publicou hoje uma resenha na Copa de Literatura Brasileira, ditada impromptu via telefone desde Basra, onde ora ministra um curso de Plausobélica Mirim a um grupo de moscas.

5 comentários:

comentador disse...

Vc é mesmo admirável! Na segunda folha desses dois livros eu teria dito "que m.!" sem procurar definir de que era o fedor e teria devolvido essas duas baboseiras.

Que tristeza essa sua atividade...

Mentor Intelectual disse...

ÔÔÔÔÔÔÔÔ, Guitar Legend Pabliano, dá uma olhada no comentário que fiz no post abaixo, e tome tenência, como dizia nossa querida L.C. Abraços de um palhaço inútil.

M4rcoS disse...

kd o Doutor???????????

Permafrost disse...

O doutor acaba de voltar de um mês inteiro numa extenuante turnê de palestras, seminários, congressos, simpósios e feiras de plausibilática na Grã-Bretanha. Daqui a alguns dias estará pronto pra continuar seu árduo trabalho por aqui.

Permafrost disse...

Mentor Intelectual,

Li teu comentário no artigo anterior. Concordo e discordo.

Concordo pois o detalhamento não precisava ir tão longe. Quem tendeu tendeu; quem não tendeu não tenderia mesmo, né? Mas discordo pois toda essa discussão sobre a língua portuguesa tem sido sobre a implausibilidade em afirmar q todas as línguas no fundo têm as mesmas capacidades, e q chegar-se-ia ao mesmo lugar falando português, inglês ou tagalo. O q tem acontecido aqui é o efeito reator-de-ratoeiras:

http://www.youtube.com/watch?v=Pmy5fivI_4U

ou seja, não dá pra questionar uma premissa tão entranhada no amor-próprio sem questionar todo o resto do vasto edifício de ufanismo. Minha intenção, claro, não é diminuir o amor-próprio. É apenas dar-lhe um safanão pra q deixe de ser preguiçoso.

Postar um comentário

consulte o doutor