08 janeiro 2007

O CEP de Suely

Várias vezes em sua visionária vida nosso emoldurado doutor entediou-se a ponto de não gargalhar perante uma incoerência. Sesdias foi se entediar com O Céu de Suely e não gargalhou. Tadinho. Bocejar + gargalhar = engasgar.
 
É notável q tantas pessoas tenham elogiado a hora e meia em q ficaram sentadas vendo um conto fazendo de tudo pra virar um livro, menos o necessário, um filme cheio de buracos narrativos e pausas longuíssimas e inócuas entre uma fala e outra ("¿Quer comprar minha rifa?" ... pausa... ...olhar fixo... ...pausa... ...olhar morto... ...pausa... "¿Tá rifando o quê?"), com uma direção q acertou apenas qdo não interferiu com a naturalidade das atrizes, e uma torrente de detalhes insignificantes q, tomados juntos e inseridos no todo, ... continuam insignificantes. Um filme naturalista sem idéias não é nem um documentário; até mesmo um documentário tem q ter idéias.
 
Mas o parágrafo acima é só um esculacho pela perda de tempo. Nada de hipoplausibilético. O q espanta e surpreende até o Dr Plausível é q ninguém note o rombo monstruoso de hipoplausibilose aberto na testa do espectador emocionado com a moça q se rifa por uma noite pra juntar grana e sair em busca dum destino melhor. ¿Será q ninguém percebe q o diretor não teve culhões pra sustentar as únicas coisas minimamente interessentes nessa personagem: (1) seu ego inchado, e (2) seu desamor pelo próprio filho, q batizou com o nome do pai?
 
De volta a sua cidade natal no interior do Ceará, seu amor pelo Mateus-pai se transforma em tédio pelo Mateus-filho. O pirralho berra no quarto, e a mãe fuma lá fora e diz "Às vezes dá vontade de largar ele no mato e sair correndo." Quem cuida do moleque é a vó; mas qdo esta tem q sair e dá uma indireta-patada pra q a mãe cuide dele, a moça simplesmente vai dançar (e ¡meta cenas intermináveis do rosto dela dançando! – o diretor está apaixonado pela atriz, e o público é obrigado a ler suas longas cartas amantéticas). Mas diga a verdade, dona-de-casa: tem q ter o ego muito inchado pra se rifar (!!) por uma noite e chamar o prêmio de "Uma Noite no Paraíso", não? Tem q se achar muito pra descarregar o filho nas mãos da vó e sair pra dançar, não? E tem q se achar o máximo pra vender as rifas com um provocante sorriso de seduzir santo e, na hora de pagar o prêmio, fazer cara de tacho e escolher justamente essa hora pra descobrir a sordidez do sexo servil, não?
 
A moça havia sido traída e mal paga, claro, e toda essa egolatria pode ser apenas a maneira q ela encontrou de se pôr de pé novamente. Compreensível, digamos. Mas parece q nem sequer isso foi percebido pelo diretor ou pela atriz, já q pra se pôr de pé, ela precisa primeiro cair: no entanto, qdo cai a ficha da traição, a moça não demonstra qqer emoção q justifique uma mudança de vida. Dizer à sogra "Seu filho é um sacana." entre os dentes, e apenas isso no filme todo, é o mesmo q isentar o canalha de sua responsabilidade. Claro, a preocupação central do filme é isentar a moça também.
 
"Mas ¿o q fazer com esse trambolho q é o Mateusinho, meu Deus?" perguntou-se o diretor, ele próprio entediado com esse rival pelos belos seios da atriz. "¿Q fazer com ele? ¡¡Ah, simples!! ¿Por que não pensei nisso antes? ¡A vó! A vó pode simplesmente PEDIR pra ficar com o fedelho e dar-lhe todo o amor q traz em seu velho e cansado coração de bisavó. Aí minha musa vai ter uma personagem sem defeitos," q pode então seguir seu destino egoísta bem longe, no outro extremo do Brasil, depois de obter um lucro abusivo por uma noite de sexo robótico e moroso. Tem q ser um autor muito cego pra não enxergar a um palmo dos olhos a frase q seria o clímax todo do filme e finalmente daria algum sentido à história, uma frase carregada de simbolismo consciente e inconsciente, antes de a moça zarpar em busca de si mesma: "Vou deixar o Mateus aqui."
 
A frase não foi dita, lógico, pois o diretor não teve coragem ou visão. Em vez disso, a moça se livra lepidamente do trambolho, e fica o público se perguntando qual exatamente foi o motivo de ela querer se mandar pra tão longe daquela cidade: ¿será q ela não gostava do CEP?

8 comentários:

Herpes da Fonseta disse...

Toda essa reclamação só por ter gasto o quinzinho do ingresso?

Fina Endor disse...

Vc disse lá no meu blog que sua crítica era mordaz e realmente é. Gostei bastante do texto. Considero-o uma avaliação bem lúcida do filme.

Pracimademoá disse...

Bem feito. Quem manda ver filme nacional?

Neanderthal disse...

O problema não são os 15, mas 1 hora e meia, a 50 pratas por hora = 75,00.

Rildo Hora disse...

Foi ver filmeco brazuca, sentiu cheiro repugnante de manteiga com pipoca, gastou grana e ainda se deu ao trabalho de dispensar o latim se auto-delatando? Ô, Dr, se já deu prá perceber seu horror a tudo que é tupiniquim (no que estou de acordo, tirando as mulheres), faça-me o favor!!

Permafrost disse...

O doutor não se horroriza nem favoritiza a produção de nenhuma nacionalidade. Se plausível, qqer filmeco de terceira feito em Pinico do Sul por um meliante cambojano contaria com a aprovação do doutor.

lulu disse...

O pior é que nem vi o filme, porque fiquei com uma preguiça macunaímica, mas sua resenha me convenceu totalmente e eu concordo com vc!!! ( mas num conta prá ninguém, que não é nada chic num ter gostado da suely, sobrtudo sem nem ter visto)

Permafrost disse...

Ah, tem várias coisas de q não gosto sem jamais ter visto. Na verdade, é essa exatamente a definição de 'chic'.

Postar um comentário

consulte o doutor