06 setembro 2006

Escroto nulo

Nosso enternecido sábio sempre dá risada na cara de quem tem "altos ideais". O termo "alto ideal" já tem um quê de derrotista e ofensivo. Mas também pode ser usado tanto pra manipular o populacho – tipo como se faz com 'esperança' –, como pra falar bestices pelos cotovelos e parecer profundo.

Em época de eleições, sempre brota incontrolada uma campanha contra o voto nulo. O argumento principal é q o voto nulo favorece quem já tá no poder.

Pode até acontecer, tal como no caso de gente atacada de hipoplausibilose q vota nulo em protesto contra o governo em exercício. Tem q ser muito tapado pra achar q o voto nulo vai prejudicar quem tá no poder ("¡Ai q infortúnio atroz! ¡Tem gente não gosta de mim! snif snif").

Mas há inúmeros outros motivos pra se votar nulo. Aliás, se essa gente q desdenha do voto nulo realmente acreditasse em democracia, deixava os nulovotantes em paz. "Quero votar nulo. ¿Dá licença!"

Mas a verdade verdadeira é q os campanhantes contra o voto nulo nunca se dignaram à consultar o Dr Plausível.

Eleição democrática nunca foi nem nunca será um "sufrágio universal": é uma espécie de estatística. Evidência disso é q nem toda a população pode votar. Portanto, é uma amostragem: uma amostragem dum corte temporal; sempre foi, desde muito antes do "um voto por cabeça". Então, ¿que diferença faz o voto nulo, se na população como um todo os nulovotantes tão distribuídos uniformemente, tal como certamente tão? Suponhamos: numa população de 1000, o candidato X é eleito por 500 votos contra 400 pro candidato Y; 100 votos foram anulados. Agora raciocine: estes 100 nulos não fazem a menor diferença, visto q a preferência do eleitorado tá claramente demarcada em 5:4 pro candidato X. Caso não houvesse nulovotantes, o X teria ganho da mesma forma, só q por 555 à 444.

Sobra 1 voto, certamente do Dr Plausível, q vota nulo em qqer circunstância.

Um comentário:

Maria Isabel disse...

Uma explicação para você de como se contabilizam os votos considerando os votos nulos -->>
^Uma informação importante, e que deveria ser de conhecimento de todos, é a influência dos votos nulos e brancos nas eleições para Presidente, Governador e Prefeito.

Para aqueles que não sabem, o segundo turno das eleições acontece quando um candidato não obtém metade mais um de todos os votos válidos. Ocorre que os votos em branco e os votos nulos SÃO CONSIDERADOS INVÁLIDOS; portanto, NÃO SÃO computados para o cálculo da maioria nas eleições dos cargos que citei acima.

Por exemplo, se eu tenho 100 eleitores e todos eles votam em algum candidato, ou seja, não há votos nulos/brancos, o candidato que obter 51 votos (50% + 1) ganhará logo no primeiro turno. Agora, se dos 100 eleitores, 10 votaram nulo ou em branco, TEMOS APENAS 90 VOTOS VÃLIDOS (e não 100) ou seja, o mesmo candidato precisará de APENAS 46 votos para ganhar (50% MAIS 1 DOS VOTOS VÃLIDOS) e não haver segundo turno.

Por isso, quando você for votar, lembre-se que ao votar nulo ou em branco no primeiro turno você AUMENTARÁ A CHANCE DO CANDIDATO PREFERIDO (no caso, até o momento, a DILMA!) vencer logo no primeiro turno.

É POR IGNORAR ESSA QUESTÃO DOS VOTOS VÃLIDOS QUE MUITOS PROTESTAM CONTRA O LIDER DAS INTENÇÕES DE VOTO (no caso a DILMA) votando nulo.

Postar um comentário

consulte o doutor