21 agosto 2006

O caminho de volta

Sesdias, os jornais publicaram em primeira página um comunicado conjunto de várias associações de veículos de imprensa (ANJ, ANER, ABERT, ABRA e ABRATEL). O comunicado trazia o título "BASTA À VIOLÊNCIA" e dizia todas essas coisas q ultimamente (há várias décadas) se ouve em qqer conversa de botequim entre cidadãos pautados por um civilizado respeito à lei e à ordem, ao patrimônio alheio e às instituições democráticas.

(Hm. Aí já apareceu algo incôngruo; mas continuemos.)

O Dr Plausível não é de ficar amarrando cachorro em poste pra ver se ele se enrosca, e acho q o pessoal dessas associações tbm não. Pois, dado q nosso epistolário sábio pratica há muito o saudável hábito de ler nas entrelinhas, não admira q levantasse as sobrancelhas ao ler o interessante texto. Pois... Bom, ué, ¿a violência não é praticamente um belo dum ganha-pão pra essa turma? Além dos médicos e das firmas de segurança, ¿a imprensa não lucra diariamente com a criminalidade? ¿não podemos até mesmo dizer q a promove, transformando suas primeiras páginas em troféus q os bandidos emolduram e penduram nas paredes de suas celas ou de suas mansões? Mesmo descartando essas perguntas exageradamente cínicas, ¿a violência dos últimos meses por si mesma justifica um comunicado conjunto dessas associações na primeira página de todos os maiores jornais? Se não, ¿de onde então surgiu a idéia? Aparentemente, foi aquela história do seqüestro do jornalista; mas não foi TÃO sério assim, vai.

Hmm.

A resposta está, como sóe ocorrer, no último parágrafo (grifos meus):

"Os meios de comunicação, unidos, na sua sagrada missão de informar e garantir a liberdade de expressão, cobrarão veementemente, dos atuais e futuros governantes, soluções eficazes na defesa da sociedade brasileira."

Hmmm... ¿Por que essa repentina bravata implícita em "unidos"? ¿Por que essa repentina preocupação com a liberdade de expressão? ¿Quer dizer q já tem alguém cerceando ou tentanto cercear a liberdade de imprensa? E ¿quem seria? Vejamos, tem os bandidos, a polícia, os... as... ããã Acho q é só.

Hmmmm.

5 comentários:

Herpes da Fonseta disse...

Não tinha entrelinha nenhuma nesse comunicado. Jornalista é assim mesmo. O seqüestro daquele um, claro, não foi tão sério quanto as mortes trágicas de policiais e civis, os presos decapitados, o pânico nas ruas etc. Mas, pô, foi um *jornalista*. O cara tem uma *missão sagrada*, pô. Não pode ficar por aí sofrendo como "gente comum". Mexa com um jornalista e você mexe com todos. A imprensa só ganha a vida com o crime se ela ficar assistindo. E não admira que eles se mordessem. Experimente pisar no pé de um protestante *por ser* protestante, ou passar uma rasteira num padeiro *por ser* padeiro, ou puxar o cabelo de um surfista *por ser* surfista. A turma toda arma um escarcéu.

A violência só é respeitada se for aleatória.

Permafrost disse...

Puts, eu praticamente tou defendendo a imprensa contra as hordas líbero-cerceantes ¡e vc me vem aqui com esse cinismo todo, colocando os pontos nos is? Catso.

Domingos Junior disse...

Não tem lista de espera pra uma eventual segunda turnê de imersão plausabilística no Equador? Seria agradabilíssimo. Levaria minhas latas de atum com azeitonas em conserva com óleo comestível, de modo a poupar a energia elétrica a ser gasta com o funcionamento do eficiente congelador. Na verdade, não sei se há alguma proporcionalidade entre o volume de objetos dispostos num congelador e seu consumo de energia. Só digo isso pra deixar constatado que sou solidário às premências alheias.
Subscreva-me, de qulaquer modo, no rol dos interessados no curso do dr.

Permafrost disse...

O Liceo de Plausibilética Avanzada de Otavalo infelizmente faliu alguns meses atrás, e o edifício agora virou um templo evangélico. Vc nem imagina como o Dr Plausível está lucrando vendendo os edifícios pros cultos evangélicos...

Parece q só duas coisas dão lucro no mundo: luxo e ignorância.

Domingos Junior disse...

Sim... Uma pena que a metodologia pedagógica da "Knowledge's House" a.k.a. DaslUSP, não se coadune com a praticada pelo dr. Plausível, não é mesmo? Imagine como não devem estar cheios os cofres da turma do tio Patinhas (A. M. Diniz, L. F. D'Ávila, G. Chalita, M. F. Cândido e mais meia-dúzia de publiciotários...)

Postar um comentário

consulte o doutor