11 dezembro 2004

O bloguipélago

Nosso empenhado Dr Plausível às vezes não tem absolutamente nada pra fazer. Tadinho. Fica ali na bergère no canto da sala relendo Darwin em voz alta, com seu sorriso Walter Brennan.

Mas outras vezes ele quer mais q sorrir, ele quer só rir (ugh!). Aí ele entra na internêta e surfa por blogues e blogues e mais blogues, rindo, gargalhando, casquinando e... e... ¿já notaram a humilhante escassez de verbos de rir no português?

Bem, voltando ao pô. Uma coisa q faz o Dr Plausível casquinar à tripa forra é ver como cada grupelho q junta mais de dez blogueiros se acha o mais iluminado, o mais influente, o mais genial e o mais central de todo o reino. ¡¡HAHAHAHAHA!! Ninguém nesses grupelhos percebe q está numa ilha q está num arquipélago: o bloguipélago. Há centenas de ilhas, e os habitantes de cada uma delas se acham os mais iluminados, influentes, geniais escritores e os mais promissores de toda a safra da inteligência brasileira: cada bloguilhota tem essa impressão de q "aqui, onde eu estou, é o lugar mais esclarecido da internêta." pffff

Os melhores blogues, de longe, são aqueles dos q têm um barquinho q nunca se atraca em nenhuma ilha: botes e jangadas q se cruzam no oceano, trocam algumas palavras, descem a âncora ao largo das praias, passeiam aqui e ali, e depois saem livres, se divertindo. Têm suas preferências, sim. Mas não se sentem agrupados. Já os bloguilhotas em suas ilhas são seres acossados e inseguros q se reconfortam mutuamente. Pois, pensem bem, meninos: só quem tem pavor de se afogar é q se fixa em ilhas, né?

Contra a hipoplausibilose não há vacina: só há tratamento. E demorado.

29 comentários:

Neanderthal disse...

Essa me lembrou do fato de que todos os pais acreditam que os seus filhos estão acima da média na escola....

E depois tiramos uma lanterna em matemática, física, .... atrás do bangladesh, shrilanka, ...

PZumarán disse...

Muito boa essa sacada, Neanderthal. Dá pra estender a metáfora: além de ilhas e arquipélagos, há arquipélagos de arquipélagos. Tá começando a parecer coisa do Joseph Campbell descrevendo o Hinduísmo.

Neanderthal disse...

Tá ficando meio metafísico.....

PZumarán disse...

Ué, ¿não lembra do JCampbell contando a história do deus do universo q se achava o máximo e foi humilhado qdo o blue boy trouxe uma fileira infinita de formigas e disse: "see those ants? past gods, all"?

This is exactly what I was talking about.

Marcus Pessoa disse...

Fiquei profundamente tocado pela imagem dos "barquinhos, botes e jangadas" a passear sem compromisso e com prazer entre várias ilhas do arquipélago, Sr. Permafrost.

Eu me sinto exatamente assim quando venho acompanhar o "lado B" dos meus blogues favoritos (as caixas de comentários) e ver alguns deles aportando no meu...

(consegui fazer um comment sem sequer me lembrar daquelas determinadas ilhas...)

PZumarán disse...

A metáfora deve mesmo fazer ainda mais sentido prum velho faroleiro...

Artur disse...

E quando se aventuram a bordejar outras ilhas, sempre o fazem a bordo da nau dos insensatos.

Neanderthal disse...

"Former Indras all"

Pracimademoá disse...

Ué. O Dr. se surpreendeu com a pretensão dos blogueiros?

Poder-se-ia imaginar que o requisito mínimo para se escrever um blogue é saber escrever, ter boas idéias ou algo de interessante para dizer. Mas anos de experiência já comprovaram que não é preciso nada disso. Qualquer símio com pelo menos um dedo e duas teclas pode ter um blogue.

O único verdadeiro requisito para alguém escrever em lugar tão público e visível é a PRETENSÃO de achar que alguém vai se interessar em ler aquilo. Reforçam esta teoria os chatos que assinam listas com mais de mil assinantes e toda semana anunciam as "novidades" do seu blogue, mesmo que só duas ou três pessoas apareçam e comentem alguma coisa. Como se alguém estivesse interessado.

Ora, pretensão pouca é bobagem. Quem se acha interessante o bastante para ser lido por pelo menos uma dúzia de pessoas, incluindo estranhos, TEM O DEVER de se achar o rei da cocada preta, o dono da verdade, o grande messias da internete. Senão, não tem nem graça.

smart shade of blue disse...

É. Mas cuidado com os arrecifes !

PZumarán disse...

Neanderthal: É isso mesmo: "Former Indras, all." Eu tinha esquecido das palavras exatas.

Demoá: Ah, não, o Dr Plausível raramente se surpreende. Nem mesmo o surpreende a relutância de tantos hipoplausibiléticos em procurar tratamento. Ele só, em seu infinito humanismo, ri.

Smart: De arrecifes, tá cheio. Tem até umas ilhas com uns vulcõezinhos, não?

BiaBerna disse...

Dr.Plausível (PablitoZ): "ilhotas, lagozotas, riozotas, arquipelagotas, naufragotas, pablotas, barcotas, jangadotas, oceanotas..."
1. Eis que PZ está a figurar-blog. Jóia! Porém interpreta-se que numtábãonum! Acompanhar raciocínio:
- Fernando Pessoa "exercitou" seu letrado por meio de mais ou menos 15 assinaturas-personagens
- PZ apressadinho: "FP do arquipélago!"
- corrige-se: "Não, PZ! FP bancou sol-e-planetas"
- no ambiente blog o indivíduo se habilita repetir experimento "FP"
- cada indivíduo está a significar "sol com sistema planetário"
- PZ ligeirinho:"Êrro! Planeta não sai do sistema!"
- "Calminha PZ", fala-se, "Cada planeta depacha naves siderais".
- PZ mudinho
- cada "planeta" está estilo-blog, proprietário fixo, a despachar naves, a navegar pelos "corpos" de outros similares "sistema solar"
- PZ ventania: "Falha! Há aglomerados de blogs"
- "Esfria, PZ", retruca-se, "estás a te referires ao sistema galáctico"
- PZ brumal
- cada "galáxia" contém muitos "sistemas solares".
- cada "sol" é um indivíduo, cada "planeta" é um blog, cada "nave sideral" é um nickname, cada "pousada" é um comentário, cada "galáxia" é um sufixo nacional, cada sufixo nacional comporta peculiaridades.
- PZ açodado: "E quanto aos grupelhos de blogs, modo WB?"
- "Planetas agregados em comunidade orbitrada, arbitrada", fala-se
- e acrescenta-se: "São 'planetas' satelizados junto a um criador-cósmico"
- "criador cósmico" indica criador de navegabilidades interestelares
- "criador cósmico" indica "seres extraordinários".

PZumarán disse...

Estou falando de outro aspecto da coisa.

Em tempo: o Dr Plausível e PZumarán não são a mesma pessoa.

BiaBerna disse...

I) Um momentito!
1. Afinal, quem teria escrito "Os melhores blogues, de longe, são aqueles dos q têm um barquinho q nunca se atraca em nenhuma ilha"? Dr.Plausível ou PZ? PZ está a psicografar Dr.P.? Ou Dr.P. é tão somente fruto da imaginação de PZ? Seja como fôr, está-se numa colossal confusão! PZ esclareceria? Vê se sim!
2. Evidente que entende-se que entendeu-se o sentido visado. Estaria de que os melhores blogues estariam com elevada variedade em tópicos, o mantenedor do blog propiciaria elevada diversidade no assuntar, ora fala de cinema, ora política, ora culinária, ora sexualidade, ora crise psicológica, ora briguinha doméstica... A figura do barquinho é que os tópicos mudam permanentemente de foco. Bingo né, PZ?

II) Um confrontito!
PZ: "só quem tem pavor de se afogar é q se fixa em ilhas, né?"
1. Né não, sô! PZ desestabiliza na curva e se estatela na murada de pneus.
2. A situação paradigmática não está para "indivíduo se instala em ilha isolada", mas sim está "a correnteza marítima leva o indivíduo para ilha isolada". Porisso que está a falhar a proposta metafórica.
3. Evidente que há ilhas para muitas opções: Capri, Fernando de Noronha, Madeiras, Malvinas, Mel, Guarujá, Floripa...

butuca disse...

Errou no bingo, Bia. Ficou evidente que você não entendeu o sentido visado. Não acredito que vou dar essa explicação chulé, mas lá vai: cada ilha seria um grupo de blogs, e não um tópico dentro de um blog; o barquinho é pra ir de ilha em ilha em mar aberto, e não de tópico em tópico dentro das paredes de um blog; os melhores blogs são os de gente que navega livremente (e sem regrinhas) aportando aqui e ali e vendo paisagens novas, e não daqueles que constróem fortes pra proteger a ilha onde moram seus amiguinhos, e lá se instalam, e nunca navegam, e atacam qualquer barquinho que se atrever a despontar, até passarem a acreditar que são os bons e maiorais.

Claro que, se a metáfora é com barcos e ilhas, você pede planetas; se fosse com planetas, você pediria frutas na feira; e assim vai. E nesse seu meio-ler um texto sempre pela filosofia do "hay opinión, soy contra", você dá muito mais furos do que pensa e (creio eu) gostaria.

BiaBerna disse...

Tá certo, Butuca, tenta-se entender sim, e dá-se tempo. Adota-se proceder experimento&erro&retro: no errar, recomeçar com modificação.
I) B.: "cada ilha seria um grupo de blogs".
1. Provavelmente estás a te referir, mais precisamente, à prática no WB: duas dezenas de blogs cujos mantenedores, estranhamente se colocam a paparicarem-se, trocarem-se confetes&confeitos.
2. Considero que está mal o associar de "ilha" para grupo de blogs; dá de aceitar associar grupo com "castelo amuralhado circundado de fosso com piranhas e jacarés", mas mesmo assim cerceia liberdades do indivíduo.
3. Reparar que este blog "Dr. Plausível" não tem nada a ver com figurativo de ilha e, poderia estar associado com outros blogs, num firmar acordo tácito para demarcar território.
4. Ocorre que no ambiente internet, o indivíduo pode se permitir dispor de vários blogs: poder é querer! Pode assim se permitir participar de vários grupos. Daí que coloco indivíduo como "sol" e, seus blogs como "planetas do sol" e, o grupo de blogs como "confederação planetária".
5. Reparar que o indivíduo instalado numa ilha, não iria se facilitar bancar outros blogs, noutras ilhas. Impossível! Replicante é coisa de ficção! Portanto a figuração "ilha" está mal proposta!
6. Proponho indivíduo "sol", a dispor de quantos blogs "planetas" conseguir manter e, se permitir contractuar em variados grupos confederados.

II) B.: "...você pediria frutas na feira; e assim vai..."
1. Essa aí de "frutas na feira", não entendi, deveras! Será que B. está numa viajada? Mas caso estiver a desentender o que escreve-se, explica-se, uai!
2. B. deve saber, muito bem, que sempre há participante dedicado a fazer troça gratuitamente: acabam na ridicularia, só!

PZumarán disse...

butuca: É isso aí, pegou a metáfora, q ãã... materializa algo imaterial: um agrupamento impermeável de blogueiros é como uma ilha. Eu tbm não pensei q precisasse de explicação. Entender uma metáfora é compartilhar de algo, ora pois não? Algum lugar no cérebro abre um sorriso de reconhecimento.

BiaBerna: legal a sua metáfora... também. Cada metáfora serve pruma coisa diferente, né? Vc entendeu uma "ilha" demasiadamente literal. E de fato, os WBs formam uma dessas ilhas; mas há centenas delas, umas com nome, outras sem. Agora, essa sacada da butuca "hay opinión? soy contra", essa foi um bingo bem bingado, hein?

BiaBerna disse...

PZ se diverte, né? Solta seus "plausíveis" e pede refresco? Não mesmo! Nâo é bem assim que rolam as coisas nos blogs! Vai sobrar pra ti, PZ!
I) PZ: "Há centenas de ilhas, e os habitantes de cada uma delas se acham iluminados, influentes, geniais escritores"
1. Ainda bem! Assim é que tem que estar conduzido! Cada aglutinado/ grupelho, que se divirta com o que lhe convém, com o que consegue reunir! Pois antes não havia nada, depois há um blog, e mais adiante há lista de links...
2. Ocorre que PZ está a se amofinar com suas bobagens consigo, minhocas suas, de mente! Não tem cabimento PZ abordar os propósitos plausíveis nos milhões de blogs!

II) PZ: "... cada bloguilhota tem essa impressão de q 'aqui, onde eu estou, é o lugar mais esclarecido da internêta.' pffff,"
1. Está a coisa mais natural do mundo o indivíduo prezar mais a sua residência, a sua rua, o seu quarteirão, o seu bairro, a sua comunidade, a sua cidade, a sua região, o seu país! O básico da individualidade está com indivíduo no centro-do-mundo. Evidente que na medida que surgem comparativos, embates, ganhos&perdas e conhecimentos, o tal de "centro" se desloca, e até surgem outros "centros", e adiante há multiplicidade de "centros".
2. Em suma, PZ se acha com o rei na barriga! (rá rá rá)

III) E eis que descobre-se a linha-de-zaga constituída de três -Plausível, Butuca e PZ-, para defender no time de futebol "Que Coisa!". É isso daí sim - que coisa! Pois se dão ares de afetadinhos!
1. Ô PZ (e Butuca), inexiste a coisa "soy contra", pois tudo se passa como embate de raciocínios! O "ser contra" só vale para embate de interêsses! Acordem (ambos!) ou averiguem ou apurem-se!

butuca disse...

Nem sei o que é zaga.

PZumarán disse...

Ok, Bia. Seu motto não é "hay opinión? soy contra". É, na verdade, "hay opinión? refuto".

Lembre-se do menino azul dizendo: "Former Indras, all."

smart shade of blue disse...

Calma, gente.

Eu já estou me tornando um especialista em BiaBerna, minha comentadora mais assídua. Primeiro achei que ela fosse uma semióloga portuguesa. Depois achei que ela era a Ruth Cardoso. Há uma possibilidade de que ela seja a consciência emergente da própria Rede, tateando o mundo dos homens. Mas o mais importante é que ela é inofensiva. Na verdade ela gosta é de tirar um sarro da nossa cara. Os militares têm um nome pra isso: ela faz "reconhecimento em força", pra ver até onde a gente aguenta sem estrilar. And believe me, we need that _ ou seremos tão pedantes quanto vocês sabem quem.

Quanto ao barquinho, tô fora. Arrumei algo mais robusto por estes dias, para abalroar quem passar pela frente.

Láudano disse...

Só sei o seguinte: Seja A. ou J., a BB escreve 'barbarismos' como "que encontra-se". E que sinto o cheiro de brigada integralista na coesão de uma das ilhas essas que PZ referiu.

Nenhum dos dois meus 'argumentos' acima é válido (ó, eles escrevem barbarismos, ó, eles são os herdeiros do Plínio Salgado), mas eu não tenho paciência com quem erra por hiper-correção, coisa que a turma essa faz bastante, pagando umas de élite.

Até porque os verdadeiros cavalheiros e as verdadeiras damas jamais fazem alarde de suas condições. Para meio entendedor, boa palavra basta.

Abraços e melhores estimas, Dr.

PZumarán disse...

Smart, eu até gosto da BiaBerna. Ela tem um estilo q me lembra do João Cabral de Mello Neto, a Educação pela Pedra, organogramas e listas de ano-novo. Ela cairia melhor se concordasse com alguma coisa de vez em qdo.

Láudano, viu só? Mas acho q nem A nem J seriam integralistas pois, pelo q sei, os ateus lá tbm seriam bem recebidos pelo Plínio Doce de Fel.

Marcus Pessoa disse...

Não tenho nada a dizer, Butuca e SSoB já disseram tudo. Sobre a BiaBerna, não tive nunca a oportunidade de responder-lhe: na verdade nem sei se já consegui ler algum comment seu até o fim...

Pracimademoá disse...

Oxente! Eu num intendo é porra nenhuma do que essa Bia escreve. E já desisti de tentar faz tempo. Viste?

PZumarán disse...

Q gozado, Demoá, eu tbm ouço algo nordextiino na BiaBerna. Pensei q era só eu.

Pracimademoá disse...

Mas eu tava só mangando. Acho que essa Bia é portuguesa, sim sinhoire. Ó, rrraiosh!

PZumarán disse...

Acho q não. Ela usa mais expressões, palavras e acentuação brasileiras. A única coisa portuguesa q vejo nela é q evita o gerúndio: "a fazer" em vez de "fazendo". Outra peculiaridade é q nada "é", tudo "está", com o q ela pretende passar a idéia de um universo dinâmico. Ela é um pouco sacal mas é interessante, como personagem.

Teu cú disse...

Tudo no mundo é vaidade. Até a humildade. Então fodam-se os 28.

Postar um comentário

consulte o doutor